Energia

Ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida defende "Petrobras privada"

Sachsida também declarou que a estatal deveria criar programas sociais

Ministro de Minas e Energia, Adolfo SachsidaMinistro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida - Foto: Expert XP/Divulgação

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, teceu críticas à Petrobras na tarde desta quinta-feira (4), durante evento da Expert XP 2022, que aconteceu em São Paulo. Sachsida disse que a estatal deve criar programas sociais e colocou a responsabilidade na presidência e na direção da estatal. Além disso, o ministro disse que a sociedade deve decidir se a empresa deve ser privatizada.

“Não dá para achar petróleo no pré-sal e a empresa dizer que é pública para ter prioridade, mas justificar que é privada quando o preço da gasolina aumenta”, registrou Adolfo Sachsida, durante o evento.

Defesa da privatização

Ele complementou dizendo que espera que ela seja privatizada. “Eu tenho a minha preferência e quero ela privada”, disse. Ao assumir a pasta, Sachsida já vem demonstrando seu interesse em privatizar a estatal, inclusive, já encomendou estudos para o processo.

Ele argumentou que a Petrobras deveria ter responsabilidade em criar projetos sociais. “Eu não ganho R$ 210 mil por mês. Quem ganha é o presidente da Petrobras. Toda empresa grande responsável no mundo tem programas sociais. É claro que a Petrobras deveria ter, é um olhar do que é importante numa sociedade”, argumentou o ministro.

Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, também afirmou que a Petrobras precisa decidir se quer ser pública ou privada. “A Petrobras precisa de mudanças gerenciais, ela não é um país dentro do outro. Ela é uma empresa importante, que precisa decidir se quer ser pública ou privada”, disse Lira.

Ele também fez cobranças em relação ao papel social da estatal. “A Petrobras tem que olhar para o papel social, o que ela representa hoje de crescimento, desenvolvimento e fomento ao Brasil”, acrescentou Lira.

O parlamentar ainda comentou sobre a fiscalização na empresa. “Ela não pode ser uma empresa pública para não ser fiscalizada, para não responder perante o sistema de governo”, acrescentou Lira.

Veja também

Saudi Aramco tem lucro recorde de US$ 48,4 bilhões no 2º trimestre
PETRÓLEO

Saudi Aramco tem lucro recorde de US$ 48,4 bilhões no 2º trimestre

Uber vai acabar com o Rewards, seu programa de fidelidade
Negócios

Uber vai acabar com o Rewards, seu programa de fidelidade