Ministro diz que busca acordo para indenizar concessionárias e garantir relicitação de rodovias

O decreto atende às concessionárias que participaram de leilões no governo Dilma Rousseff

Ministro da Infraestrutura Tarcisio Gomes de FreitasMinistro da Infraestrutura Tarcisio Gomes de Freitas - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou que o governo buscará negociar indenizações com as empresas interessadas na devolução amigável de concessões para que a questão possa ser resolvida sem necessidade de judicialização.

Nesta quarta-feira (7), o governo federal publicou decreto para regulamentar a lei de 2017 que permite a devolução de concessões e a relicitação desses ativos. O decreto, no entanto, não resolveu todos os questionamentos das empresas, em especial, a questão das indenizações a serem pagas por investimentos já realizados pelas concessionárias e que ainda não foram amortizados.

"Saiu o decreto. O que vamos tentar fazer agora é estabelecer termos aditivos com as concessionárias, para manter esses ativos operando. Temos de fechar também a metodologia para indenizar os investimentos não amortizados, chegar a acordos, assinar o aditivo e aí fazer a relicitação", afirmou o ministro da Infraestrutura nesta quinta-feira (8), durante evento do banco BTGPactual.

Leia também
Governo reduz tarifas de importação de medicamento de HIV no Mercosul
Governo vai ampliar atuação do Programa de Parcerias de Investimentos
Governo inaugura usina solar flutuante no reservatório de Sobradinho

O decreto atende às concessionárias que participaram de leilões no governo Dilma Rousseff e que enfrentaram posteriormente uma "tempestade perfeita", com o país em recessão, mudanças na política de crédito do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e os problemas enfrentados pelos vencedores do leilão na Operação Lava Jato.

A questão da metodologia de indenização, ainda não totalmente definida, foi um dos fatores que atrasou a publicação do decreto e que preocupa, principalmente, as concessionárias de rodovias.

Durante o evento, o ministro também foi questionado sobre os efeitos das medidas recentes no setor aéreo no preço das passagens. Segundo Tarcísio, os preços vão cair quando houver competição. Ele disse que o governo federal também tem pedido a governadores a redução no ICMS sobre combustível de aviação e que há expectativa de ampliação da malha aérea com a compra de novos aviões por empresas como Gol e Azul. "Tudo leva a crer que vamos assistir à redução no preço das passagens até o final do ano", afirmou.

Veja também

Número de beneficiários do auxílio emergencial sobe para 67,7 milhões
auxílio emergencial

Número de beneficiários do auxílio emergencial sobe para 67,7 milhões

BNDES lança linha de financiamento para serviços tecnológicos
economia

BNDES lança linha de financiamento para serviços tecnológicos