Ministro diz que governo está em estado de atenção e preocupação com economia

Oliveira negou que esteja preparando algum pacote de medidas para acelerar a retomada econômica

Prefeitura de Sertânia Prefeitura de Sertânia  - Foto: Reprodução/ Google Street View

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, disse nesta segunda-feira (5) que o "governo está sempre em estado de atenção e preocupação” com a economia ao responder sobre a piora na projeção de instituições financeiras para a queda do Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todas as riquezas produzidas pelo país, este ano e para 2017.

“2017 é um longo ano, ainda temos tempo para trabalhar e garantir esse crescimento. O governo está sempre em estado de atenção e preocupação com a economia. Não é o indicador de uma semana que muda a nossa situação”, afirmou o ministro, após participar da abertura da 3ª Conferência Nacional de Produtores e Usuários de Informações Estatísticas, Geográficas e Ambientais, no Rio de Janeiro.

“Nós desejamos que a economia se recupere o mais rapidamente e fortemente possível. Mas é preciso que tenhamos a compreensão de que nós estamos num processo longo de deterioração da economia. Recuperar essa economia demandará esforços grandes e decisivos do governo que estão sendo feitos tanto na área fiscal quanto na área das regulamentações”, acrescentou.

Oliveira negou que esteja preparando algum pacote de medidas para acelerar a retomada econômica. “Não estamos preparando pacotes, O que temos é uma ação de governo, que já implementou várias medidas e ações e que naturalmente continuará atuando dessa maneira, trazendo propostas, alterando a legislação quando necessário, que abrem espaço para o desenvolvimento da economia”.

Entre as ações tomadas pelo governo, o ministro citou a desregulamentação no setor de petróleo para atrair investimentos, a retomada do processo de privatização de empresas deficitárias, o lançamento de programas de parceria público-privada com a concessão de diversas áreas de infraestrutura, como os editais para a concessão de quatro aeroportos.

O ministro reconheceu que o país atravessa “grandes” desafios. “O Brasil não sofre restrição de ordem externa, mas os problemas são de ordem interna. O primeiro passo é a disciplina e a transparência fiscal com elementos importantes como a PEC que limita os gastos do governo, na sequência, talvez até hoje mesmo, o início do processo da reforma da Previdência, e um processo detalhado de avaliação das despesas públicas do governo federal, com a revisão do auxílio doença”, disse, no evento.

Veja também

Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz
Conta de luz

Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz

BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas
Economia

BNDES disponibiliza R$5 bi para micro, pequenas e médias empresas