GNV

Motoristas protestam contra aumento do preço do gás natural em Pernambuco

Categoria pretende se encontrar com representantes da Copergás para reivindicar a baixa do preço

Motoristas saem em carreta para protestoMotoristas saem em carreta para protesto - Foto: Alexandre Aroeira/Folha de Pernambuco

Motoristas de transporte por aplicativo se reúnem, na manhã desta terça-feira (10), na rua Pintor Lula Cardoso Ayres, no bairro da Imbiribeira, no Recife, contra o aumento do preço do Gás Natural Veicular (GNV) em Pernambuco.
 
De lá, eles saem em carreata até a sede da Companhia Pernambucana de Gás (Copergás), companhia responsável pela distribuição e venda de gás natural no Estado.

Segundo o presidente da Associação dos Motoristas e Motofretistas por Aplicativos de Pernambuco, Thiago Silva, a categoria pretende se encontrar com representantes da empresa para reivindicar a baixa do preço.


 
“A gasolina e o álcool, que junto com o GNV são os principais insumos dos motoristas de aplicativo e correspondem ao principal custo da operação de qualquer veículo, de qualquer profissional de transporte que, mais uma vez, fica drasticamente prejudicado com os aumentos”, disse.
 
A motorista por aplicativo Sibele Diniz, de 41 anos, trabalha há um ano no ramo. “Fiquei desempregada e como alternativa para ter uma renda comecei a rodar como motorista por aplicativo. Com o aumento, está ficando cada vez mais difícil manter a operação”, comentou.

 
Em nota enviada no início da tarde desta terça-feira, a Copergás avisou que o protesto está sendo direcionado de forma equivocada, uma vez que a empresa não é produtora de gás natural e atua apenas como distribuidora do produto fornecido por suas supridoras. "A Companhia não ganha um centavo a mais com o reajuste no preço do gás natural, sendo remunerada pela construção da infraestrutura de distribuição do produto. Entre todos os combustíveis comercializados em Pernambuco, o gás natural foi o único a permanecer com o mesmo valor por seis meses, entre novembro de 2021 e abril de 2022", reforça a estatal. 
 
Veja abaixo a nota oficial na íntegra:
 

"A Companhia Pernambucana de Gás – Copergás é solidária com qualquer mobilização pela melhoria nas condições de trabalho dos motoristas de aplicativos de transporte. Mas a empresa acredita que a mobilização desta terça-feira (10) está sendo realizada visando o endereço errado, pois deveria ocorrer na Petrobras, responsável pela alta nos preços de todos os combustíveis comercializados no Brasil.

A Copergás não produz gás natural. Ela distribui o produto fornecido por suas supridoras. Vende pelo preço que compra. A Companhia não ganha um centavo a mais com o reajuste no preço do gás natural, sendo remunerada pela construção da infraestrutura de distribuição do produto.

Entre todos os combustíveis comercializados em Pernambuco, o gás natural foi o único a permanecer com o mesmo valor por seis meses, entre novembro de 2021 e abril de 2022. Isso só foi possível porque a Copergás, de forma pioneira, contratou novos supridores do produto, de forma a não depender exclusivamente da Petrobrás. Hoje, a Companhia é uma das poucas no País a contar com três fornecedores de GN: Petrobrás, Shell e a New Fortress – esta última atendendo as redes implantadas nas cidades de Petrolina e Garanhuns.

Se continuasse tendo apenas a Petrobras como sua supridora, a Copergás não teria conseguido, como conseguiu, manter a mesma tarifa de novembro/2021 a abril/2022. 

No caso do reajuste que passou a valer a partir de 1º de maio passado, o percentual cobrado pela Petrobras foi de 19,22%. No entanto, a existência de outros supridores permitiu que o repasse médio do gás natural distribuído pela Copergás fosse de 14,92%, sendo que para o GNV foi de 14,58%. O preço do gás natural é reavaliado apenas trimestralmente, em fevereiro, maio, agosto e novembro – ao contrário dos demais combustíveis que aumentam de preço diversas vezes ao ano, por decisão única e exclusiva da Petrobrás.

A verdade é que o gás natural distribuído pela Copergás tem a menor tarifa entre todos os Estados do Nordeste e um dos menores do Brasil. Contribui também a redução na alíquota do ICMS cobrado pelo Governo de Pernambuco.

Por tudo isso, protestar contra a Copergás pelo reajuste no preço dos combustíveis é uma ação equivocada, que tenta desviar o foco dos verdadeiros responsáveis pelos aumentos que afligem os consumidores brasileiros". 

Veja também

Senado aprova acúmulo de saldo de telefonia não utilizado
Serviço de telefonia

Senado aprova acúmulo de saldo de telefonia não utilizado

Assaí Atacadista oferece 290 vagas de emprego para nova unidade no Recife
oportunidade

Assaí Atacadista oferece 290 vagas de emprego para nova unidade no Recife