Coluna Movimento Econômico

Cenário econômico deve impulsionar fusões e aquisições 

O ano de 2023 não foi bom para o Nordeste

Fusões e Aquisições: cenário tende a melhorar em 2024  Fusões e Aquisições: cenário tende a melhorar em 2024  - Foto: Imagem: Pixabay

O volume de fusões e aquisições (M&A) no Nordeste foi 24% menor em 2023, em comparação a 2022, e 32% abaixo do registrado em 2021, segundo levantamento da Deloitte com base nos dados da plataforma Transactional Track Record (TTR). Mas a expectativa para 2024 é bem melhor, segundo consultores ouvidos pelo Movimento Econômico.

David Holanda, sócio de financial advisory da Deloitte, explica que as incertezas no cenário macroeconômico, as taxas de juros elevadas e as tensões geopolíticas frearam as transações. “No Brasil, um dos principais fatores foi a Selic”, sustenta. 

Para Daniel Maranhão, CEO da Grant Thornton Brasil, 2024 pode trazer não só uma recuperação no cenário de fusões e aquisições, como também no de IPO, com muitas empresas retomando à listagem na bolsa para fazer abertura de capital e follow on (oferta subsequente de ações).

Quando os juros estão altos, os investidores tendem a buscar opções mais seguras, como investimentos em renda fixa, diminuindo as transações de M&A. A queda de juros já observada no Brasil tende a impulsionar o mercado, conforme analisa Edvaldo Martins, especialista em M&A da Share Capital. Para ele outro fator de estímulo é a aprovação da reforma tributária, “que tem sido bem vista no exterior”.

Cenário em 2023

Em 2021, a região foi alvo de 216 operações de M&A e, em 2022, de 193. Já em 2023, o Nordeste registrou 146 transações de M&A e 73% delas concentradas em três estados - Bahia, Ceará e Pernambuco - que seguem como principais focos para os investimentos. Apesar dessa liderança, Rio Grande do Norte e Maranhão tiveram operações significativas no ano passado.

Setores de destaque

Os setores que mais se destacaram, no ano passado no Nordeste, conforme a Deloitte, foram energia (27%) e tecnologia (22%), seguidos por saúde e financeiro (empatados com 6%). No Brasil, os setores que mais atraíram investimentos foram tecnologia (33%), financeiro (20%) e imobiliário (12%).

Hidrogênio
Em junho, o Rio de janeiro vai sediar grande evento sobre Hidrogênio Verde, com presença dos maiores especialistas no assunto. O 2º Hydrogen EXPO South America, que será realizado nos dias 5 e 6 de junho, no Expo Mag, no Rio de Janeiro, vai trazer tecnologias de ponta para produzir, transportar, armazenar e aplicar o H2V na indústria. É organizado pela Associação Brasileira da Indústria do Hidrogênio Verde (ABIHV) com parceiros.

Saneamento
A Casa Criatura, referência em design e makerspaces, com sede em Olinda, criou o projeto Cirandar, um laboratório de educação e design circular, que enfrenta os desafios do saneamento básico e gestão de resíduos. O projeto tem impactos cultural - ao incentivar novos hábitos - e econômico, já que abre oportunidade de mercado e modelo para indústrias locais ao aproveitar matéria-prima plástica abundante, conforme Juliana Rabello, uma das idealizadoras da Casa Criatura.

“Não é não! ”
Nesta terça-feira, ocorre o lançamento do QR Code “Não é Não! ”, uma ferramenta que visa combater a violência e o assédio sexual contra mulheres. Desenvolvida por Anne Caroline, Kelvyn Freitas e Anderson Ribeiro, estudantes de Tecnologia, conta com apoio da SOFTEX, Instituto Aliança e ABRASEL-PE.

Leia também no Movimento Econômico:

Descarbonização: Brasil pode atrair US$ 7 trilhões em H2V, a maior parte no NE

Ball faz investimento de R$ 100 milhões na fábrica de Suape

Veja também

Resíduos da cana vão virar biometano em Juazeiro, na Bahia
ENERGIA

Resíduos da cana vão virar biometano em Juazeiro, na Bahia

Carro elétrico popular: Lecar briga com BYD pela Ford Bahia
Carro elétrico popular

Carro elétrico popular: Lecar briga com BYD pela Ford Bahia