Coluna Movimento Econômico

Obras avançam, e TechHub deve ser inaugurado até dezembro em Suape

O objetivo é tornar o porto um espaço de pesquisa, desenvolvimento e inovação com foco no hidrogênio verde

Obras do TechHub em SuapeObras do TechHub em Suape - Foto: divulgação

Como mostrou o Portal Movimento Econômico esta semana, avança no Complexo de Suape o polo de desenvolvimento de hidrogênio verde (H2V) em Pernambuco. O projeto pode transformar o estado em referência mundial no combustível do futuro. O cronograma prevê sua entrada em operação para este ano ainda, entre novembro e dezembro.

O TechHub é uma iniciativa desenvolvida em parceria com a empresa chinesa CTG, o Departamento Nacional do Senai, o Senai Pernambuco e o governo do estado. O objetivo é tornar o porto um espaço de pesquisa, desenvolvimento e inovação com foco no hidrogênio verde.

De acordo com o diretor de inovação e tecnologia do SENAI PE, Oziel Alves, que está à frente do negócio, a primeira planta de hidrogênio verde do TechHub H2V vai começar a produzir, inicialmente em escala experimental.

Alide
Os representantes dos 26 países reunidos para a 54ª Reunião Associação Latino-Americana de Instituições Financeiras de Desenvolvimento (Alide) divulgaram, na manhã de sexta-feira (17), a Declaração de Fortaleza, cidade que recebeu o evento. No documento, as instituições financeiras se solidarizaram com a tragédia gaúcha e reafirmaram a importância dos bancos de desenvolvimento como instrumento de combate à pobreza, às desigualdades sociais e ao enfrentamento dos danos causados pela mudança climática. O Banco do Nordeste foi o anfitrião do evento.

Oportunidade de negócios
A decisão do governo de Pernambuco de construir creches para atender às crianças e ajudar as mães a seguirem com sua carreira profissional ou empreendedora abre oportunidade de negócios. O primeiro bloco dos 51 Centros de Educação Infantil (CEIs) beneficiará 42 municípios. Ao custo de R$ 282 milhões, divididos em nove lotes, as obras têm prazo previsto para a conclusão de 12 meses. As unidades integram o Programa Juntos pela Educação e contemplam crianças de 0 a 5 anos por meio de convênios entre o Governo do Estado e os municípios.  Promessa de campanha da governadora Raquel Lyra.

Tragédia afeta negócios
As enchentes no Rio Grande do Sul estão afetando os negócios em outras regiões. Esta semana o Ministério dos Portos e Aeroportos adiou o leilão de áreas portuárias que ocorreria na próxima quinta-feira (23) e envolveria três portos. No Porto do Recife seriam leiloadas quatro áreas. A medida também atingiu o porto do Rio de Janeiro. O adiamento ocorreu em razão da situação de calamidade pública do estado gaúcho, que também teria áreas destinadas a leilão em seu porto, e em respeito aos familiares e amigos das vítimas da tragédia.

Ceplan
Numa análise feita a pedido do Movimento Econômico, a Ceplan Consultoria estimou o prejuízo que as águas causaram à quarta maior economia do País, a do Rio Grande do Sul. “Na hipótese de a economia estadual não registrar crescimento em 2024, podemos estar diante de uma perda que supere o patamar de R$ 100 bilhões em termos de geração de riqueza”, estima o sócio e CEO da renomada Ceplan Consultoria, o economista Paulo Guimarães. O economista levou em conta os municípios atingidos pelas enchentes no Rio Grande do Sul, que até o momento respondem por 95% do Produto Interno Bruto (PIB) gaúcho. 

Leia também no Movimento Econômico:

H2V começa a ser produzido em PE até o final de 2024: acompanhe os detalhes

Enchentes podem causar perda estimada em R$ 100 bi no RS

Com Declaração de Fortaleza, bancos se unem em torno dos desafios da AL

           

Veja também

Modelo de negócio do Polo de Confecções do Agreste é replicado  
Coluna Movimento Econômico

Modelo de negócio do Polo de Confecções do Agreste é replicado  

Aprovado, marco legal do H2V destrava investimentos do setor
ENERGIA

Aprovado, marco legal do H2V destrava investimentos do setor

Newsletter