MP do Rio pede suspensão de operações da BR, Ipiranga e Raízen

O caso foi descoberto em novembro de 2016, quando fiscalização da ANP detectou irregularidades no etanol coletado em postos da BR, Shell e Ipiranga

GasolinaGasolina - Foto: Agência Brasil

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pediu o cancelamento do registro estadual das três maiores distribuidoras de combustíveis do país por venda de etanol adulterado.

O caso foi descoberto em novembro de 2016, quando fiscalização da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) detectou irregularidades no etanol coletado em postos da BR, Shell (da empresa Raízen) e Ipiranga.
Em visita às bases de abastecimento das empresas, a fiscalização encontrou 16 milhões de litros de etanol com a presença de metanol, produto tóxico e proibido pela legislação.

As bases foram interditadas e o produto, reprocessado para retornar ao mercado. As empresas culparam uma usina de cana-de-açúcar de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, que também foi interditada.
Para o MP, a venda de produto adulterado "não feriu apenas a legislação da ANP ou a legislação tributária, mas colocou também em risco a saúde pública de todo o Estado do Rio de Janeiro".

"Isso porque a legislação da ANP busca a manutenção da qualidade dos combustíveis e a adição de metanol possibilitou que fossem sonegados alguns milhões de reais nesta operação", diz o pedido de ação civil pública contra as empresas.

No pedido, os procuradores solicitam, além do cancelamento da inscrição estadual -que impediria as empresas de atuarem no estado, a suspensão de incentivos e benefícios fiscais concedidos às empresas pelo Rio.
As empresas ainda não se manifestaram.

Veja também

Deputada do PSOL envia carta a Bernie Sanders por apoio contra Ferrogrão

Deputada do PSOL envia carta a Bernie Sanders por apoio contra Ferrogrão

Bolsonaro abre caminho para reajuste de servidor em ano eleitoral
Governo

Bolsonaro abre caminho para reajuste de servidor em ano eleitoral