MPF consegue condenação de responsável por fraudes em 15 estados

No Recife, as empresas Associação dos Servidores Públicos do Brasil (Asplub) e Caixa de Assistência aos Servidores Públicos Unidos do Brasil (Casplub) são associadas a crimes de relações de consumo

 

O Ministério Público Federal (MPF) conseguiu a condenação do responsável por uma fraude de R$ 11 milhões praticada em 15 estados, inclusive em Pernambuco. No Recife, as empresas Associação dos Servidores Públicos do Brasil (Asplub) e Caixa de Assistência aos Servidores Públicos Unidos do Brasil (Casplub), sob responsabilidade de Ricardo Augusto Santos Carvalho, são associadas a crimes de relações de consumo, operação de instituição financeira sem a devida autorização e falsidade ideológica.

Segundo o MPF, as instituições faziam empréstimos consignados a juros exorbitantes e vendiam seguros de vida de forma ilícita, sem autorização da Superintendência de Seguros Privados e do Banco Central. As vítimas eram servidores públicos, que pensavam estar fazendo apenas empréstimos, mas, de acordo com os relatórios contábeis analisados pelo MPF, as instituições apuravam lucros indevidos nas operações.

As práticas criminosas foram realizadas entre 2010 e 2014. “As investigações foram iniciadas a partir de reclamações de servidores públicos, que noticiaram descontos indevidos em seus contracheques. A partir de então, descobriu-se que a Asplub e a Casplub também funcionavam como instituições financeiras sem autorização”, ponderou o procurador da República, Rafael Ribeiro Nogueira.

A perícia contábil chegou conclusão que a Asplub arrecadou, de forma irregular, R$ 7,65 milhões e a Casplub, R$ 3,78 milhões. O MPF informou, por meio de nota, que as entidades não estão mais atuando. “ O órgão ainda orientou que os consumidores lesados devem procurar a Justiça.

 

Veja também

Maior fabricante de cimento do mundo planeja deixar o Brasil, diz agência
De saída

Maior fabricante de cimento do mundo planeja deixar o Brasil, diz agência

Brasil entra em lista prévia da OIT de violações trabalhistas
Direitos

Brasil entra em lista prévia da OIT de violações trabalhistas