Negócios

Musk compra Twitter: veja os próximos passos para a conclusão do negócio

Acionistas da plataforma ainda precisam dar aval à aquisição, que também passará pelo escrutínio de agências reguladoras

Elon Musk, empresário e fundador da TeslaElon Musk, empresário e fundador da Tesla - Foto: Jim Watson/ AFP

O bilionário Elon Musk conseguiu fechar um acordo com o Conselho de Administração do Twitter na segunda-feira para comprar a plataforma por cerca de US$ 44 bilhões, estabelecendo o maior acordo deste tipo (que envolve fechar o capital da empresa em Bolsa) em pelo menos duas décadas.

Mas, e agora? Quais serão os próximos passos para a conclusão do negócio?

Os questionamentos de políticos já começaram e a pressão por uma maior regulação das redes sociais provavelmente vai se intensificar.

O Twitter não é a maior plataforma social — tem mais de 217 milhões de usuários diários, em comparação com bilhões do Facebook e Instagram — mas teve um papel descomunal na formação de narrativas em todo o mundo.

Líderes políticos o transformaram em um palanque, enquanto empresas, celebridades e outros o usaram para aprimorar imagens e ganhar dinheiro.

A aquisição de Musk atraiu preocupação sobre o fato de a pessoa mais rica do mundo ter o controle de uma plataforma de comunicação influente.

Polêmicas à parte, o Conselho do Twitter já aprovou o acordo por unanimidade. Confira os próximos passos para a conclusão do negócio:

Espera-se que o acordo leve de três a seis meses para ser concluído, segundo o executivo-chefe do Twitter, Parag Agrawal. Ele disse aos funcionários da companhia que permaneceria em seu cargo pelo menos até o fechamento do acordo, segundo relatos internos. Agrawal também pediu aos funcionários que trabalhassem no Twitter "como sempre fizemos”.

Musk disse repetidamente que quer “transformar” a plataforma promovendo o que ele chama de mais liberdade de expressão (ou seja, menos moderação e remoção de conteúdo) e dando aos usuários mais controle sobre o que veem nela. Na segunda-feira, dono da Tesla e da SpaceX afirmou que se concentraria em “novos recursos, tornando os algoritmos de código aberto para aumentar a confiança, derrotando os bots de spam e autenticando todos os humanos”.

Executivos tentaram garantir aos funcionários que eles não seriam enganados pela aquisição de Musk. Agrawal disse a eles que suas opções de ações seriam convertidas em dinheiro quando o negócio for fechado. Os funcionários receberiam os mesmos pacotes de benefícios por um ano após a finalização do acordo, e não havia planos imediatos para demissões, acrescentou.

Os conservadores, que alegam ter sido injustamente silenciados pelas plataformas de mídia social, aplaudiram a notícia da compra do Twitter por Musk. Funcionários da rede social perguntaram a Agrawal se o ex-presidente americano Donald Trump, que foi banido do serviço após incitar a violência que culminou com a invasão do Capitólio, em 6 de janeiro, por ter incitado a violência, seria aceito novamente na plataforma. Agrawal s esquivou, deixando a pergunta para Musk responder assim que assumir a empresa. Trump, por sua vez, disse à Fox News na segunda-feira que não voltaria ao Twitter mesmo que sua conta fosse reativada e continuaria postando em sua própria rede social, a Truth Social.

 

Veja também

Quem paga a conta? Apagão global coloca ciberseguros à prova
TECNOLOGIA

Quem paga a conta? Apagão global coloca ciberseguros à prova

"Pais digitais" se espalham pela web e geram polêmica: fenômeno ameaça família tradicional?
internet

"Pais digitais" se espalham pela web e geram polêmica: fenômeno ameaça família tradicional?

Newsletter