Na reta final para o Dia das Mães, comércio está esperançoso

O comércio nacional espera arrecadar R$ 23,4 bilhões, como aponta a CNLD

Comércio na semana que comemora o Dia das MãesComércio na semana que comemora o Dia das Mães - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Na reta final para o Dia das Mães, o comércio local está esperançoso para que as vendas voltadas para esta data comecem, de fato, a acontecer. A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Pernambuco (Fecomércio-PE) espera que 82,9% dos consumidores comprem presentes para as mães.

O comércio nacional, que espera arrecadar R$ 23,4 bilhões, como aponta a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNLD), está pronto para receber os clientes, que ainda não apareceram. Com isto, o economista da Fecomércio-PE, Rafael Ramos, explica que as vendas ainda devem melhorar. "Nos três dias que antecedem a data, o consumidor deverá encher as lojas", ressalta.

Segundo lugar mais popular na hora de procurar os presentes, atrás apenas dos shoppings (45,4%), o comercio de rua é opção para 41% dos entrevistados que busca alternativa de um presente mais acessível. É como acontece com a aposentada Rosilda Malvin, de 69 anos, que vai presentar a filha, mas numa quantia inferior ao ano passado. “O valor do presente não tem importância, como estou ‘apertada’, vai ser uma lembrancinha”, explica. Rosilda faz parte dos 24% dos entrevistados da pesquisa da CNLD que planejam gastar menos.

Leia também: 
Dia das Mães tem expectativa otimista para vendas deste ano
Consumidor pretende gastar R$ 108 com presente do Dia das Mães


Ainda de acordo com a CNDL o pagamento a prazo será escolha de quase metade (49%) dos entrevistados. É o caso da bancária Cláudia Arruda, de 43 anos, que este ano gastou R$ 300 no presente da mãe. “Paguei no cartão e parcelei para conseguir comprar algo melhor”, justifica Cláudia.

Neste ano os presentes mais pesquisados pelos consumidores, são as roupas e acessórios de vestuário (34,6%) e os perfumes e cosméticos (21%). Segundo a vendedora de uma loja de produtos de beleza, Raiany Stefany, de 23 anos, as vendas ainda estão fracas no centro da cidade. “Brasileiro tem a velha mania de deixar para comprar de última hora”, avalia a vendedora.

Comércio do Dia das Mães


O Dia das Mães costuma ser época tradicionalmente comemorada com lembranças trocadas de filhos para mães. Por sua vez, a aposentada Graça da Silva, de 56 anos, resolveu não esperar e tomou a iniciativa de ir ao centro da cidade fazer pesquisas de um produto que precisa. À procura de um forno micro-ondas, a aposentada faz parte dos 77% dos consumidores que sempre pesquisa os preços antes de realizar a compra, como avalia o Presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife (CDL-Recife), Cid Lobo. "Na compra em dinheiro o consumidor deve pesquisar e pedir desconto", recomenda.

Graça ainda lembra que neste Dia das Mães o valor do presente dado pelo filho não tem relevância. "O que vale é a lembrança deste dia. Almoçar com os filhos, estar junto e receber um abraço carinhoso é mais importante”, ressalta a aposentada ainda dizendo que os filhos precisam lembrar-se das mães todos os dias. “Se quiser presentear eu agradeço, mas não faço questão,” brincou.

Já na última semana da segunda melhor data para o comércio, o segredo, de acordo com o gerente de uma loja de calçados, Gutemberg Chagas, de 56 anos é atrair a clientela. “O cliente precisa de facilidade na hora de comprar, por isso damos a opção de parcelamento e crediário”, revelou Chagas dizendo que o consumidor sempre deixa para comprar o presente na véspera da data.

Contratação
Para o diretor e consultor da Associação de Lojistas de Shopping de Pernambuco (Aloshop), José Ricardo Galdino, os últimos anos foram muito difíceis para o setor. “Os lojistas não devem contratar muitos extras, uma vez que eles deram treinamento técnico de vendas para os que já atuam”, revelou, ainda dizendo que o setor já acumula resultados negativos nos últimos cinco anos. Por sua vez, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) afirma que a contratação temporária no Brasil deverá ser a maior em quatro anos, gerando algo em torno de 22,1 mil vagas, com salário médio de admissão de R$ 1.262,00.

Veja também

Auxílio emergencial: Caixa libera saque para nascidos em agosto
CALENDÁRIO

Auxílio emergencial: Caixa libera saque para nascidos em agosto

Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central
REAÇÃO

Atividade econômica tem alta de 0,59% em novembro, diz Banco Central