No acumulado do mês, preço da gasolina teve queda em Pernambuco

Mesmo com alta de 3,5% no preço da gasolina nas refinarias, preço do combustível recuou 2,7% no acumulado de agosto.

Petrobras Petrobras  - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Reflexo da guerra comercial entre os Estados Unidos e China, que elevou o valor do dólar, na última segunda, pela primeira vez no ano ao patamar de R$4,19, a Petrobras anunciou mudança no preço do combustível. Desde a quarta-feira (28), o preço médio da gasolina em suas refinarias está, em média, 3,5% mais caro.

Este é o terceiro reajuste na precificação da gasolina este mês, o segundo para cima. O mais recente, no dia 16, reduziu em 6% o valor do combustível. Em Pernambuco, segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Pernambuco (Sindicombustíveis-PE), o reajuste deve equivaler a um aumento de R$0,4 centavos na compra nas distribuidoras. No entanto, mesmo com esse aumento de agora, no acumulado do mês, o preço da gasolina em Pernambuco variou para baixo em 2,7%.

Leia também:
Petrobras aumenta preço da gasolina em 3,5%
Petrobras aumenta preço de diesel e gasolina após três meses
Produção e venda de gasolina da Petrobras cai em 2019


Como o valor de venda pelas refinarias equivale a 30% do preço de bomba, visto que o restante da composição do valor é de impostos, margens e etanol, não há como precisar se haverá repasse do aumento para as bombas. “A rigor, deveria ser repassado, no entanto, como o mercado é livre, fica difícil afirmar se vão ou não repassar o aumento”, comenta o presidente do Sindicombustíveis-PE, Alfredo Pinheiros.

De acordo com a Petrobras, o preço de venda às distribuidoras não é o único determinante do preço final ao consumidor. “Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas pela Petrobras podem ou não se refletir no preço final, que incorpora tributos e repasses dos demais agentes do setor de comercialização: distribuidores, revendedores e produtores de biocombustíveis, entre outros”, afirma a estatal.

Desde 2017, a Petrobras vem acompanhando as cotações internacionais dos combustíveis, em maior ou menor grau. A política foi bastante criticada em 2018, quando a escalada do preço do petróleo levou a sucessivos reajustes do diesel, culminando com a greve dos caminhoneiros que paralisou o país por duas semanas.

Diesel
O preço do diesel não foi alterado. A última modificação foi feita no dia 1º de agosto.

Veja também

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC
Economia

Segundo semestre deve ser de 'retomada robusta' da economia com vacinação, diz BC

Inflação varia 0,31% em abril e alcança 6,76% em 12 meses
Economia

Inflação varia 0,31% em abril e alcança 6,76% em 12 meses