No carnaval, cuidado com o golpe da troca de cartões e o roubo de celulares

Aglomeração de pessoas e distração na hora de pagar compras criam o ambiente ideal para que golpistas descubram a senha e troquem o cartão; fique alerta também aos roubos de celular

Carnaval de OlindaCarnaval de Olinda - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

A aglomeração de pessoas e a distração no momento dos pagamentos facilitam aplicar o golpe da troca do cartão, o mais comum nesta época do ano. Eis como a coisa funciona: o golpista se passa por um ambulante e entrega a maquininha para o cliente digitar a senha do cartão.

O falso vendedor se aproveita de um momento de distração do comprador e presta atenção na senha que está sendo digitada. Ou ainda, usa algum truque e desviar a atenção do folião para que a vítima digite a senha no campo destinado ao valor da compra, o que permite ao bandido descobrir o código secreto. Aproveitando-se da falta de atenção do comprador, o golpista devolve um outro cartão e a troca só é percebida muito tempo depois, quando a pessoa tentar usá-lo novamente.

Leia também:
Confira delegacias de plantão durante o Carnaval
Saiba o itinerário do seu ônibus neste Carnaval
   

Prestar muita atenção ao fazer os pagamentos, é a principal forma de evitar ser vítima desse golpe. “O ideal é que a própria pessoa insira o cartão na maquininha e fique segurando ele o tempo todo. Caso isso não seja possível, é muito importante que ela confira se o cartão devolvido é realmente o dela assim que o receber do ambulante”, explica Adriano Volpini, diretor da comissão de Prevenção a Fraudes da Febraban – Federação Brasileira dos Bancos.

Volpini alerta que, além do cartão, os golpistas também precisam da senha para realizar operações fraudulentas. Por isso, é preciso tomar cuidado na hora de digitar o código na maquininha. “Preste atenção se não tem ninguém observando enquanto você digita e veja se os números aparecem na tela: isso não pode acontecer. O campo de senha deve mostrar apenas asteriscos.”

Outro problema muito comum em locais com aglomeração de pessoas, como é o caso dos blocos de carnaval, são os furtos, roubos ou perda do celular. Caso isso aconteça, é muito importante comunicar ao banco o mais rápido possível. “Quando a pessoa tem seu celular roubado, ela se lembra de fazer o boletim de ocorrência e avisar a empresa de telefonia e a operadora do cartão de crédito. Quase ninguém lembra de avisar ao banco”, diz Volpini.

Esse descuido pode ter consequências graves. Se o ladrão conseguir desbloquear o celular, ele poderá ter acesso à conta da vítima pelo aplicativo do banco, por exemplo.

Em geral, os bandidos têm técnicas de convencimento, por meio de e-mails ou mensagens falsas, para induzir a vítima a informar as senhas de desbloqueio do aparelho celular, onde, por vezes, são guardadas informações que permitem o acesso ao aplicativo bancário. “Desconfie sempre, principalmente de links enviados, a orientação é a própria pessoa acionar a operadora para pedir o bloqueio”, afirma Volpini.

Além disso, em muitos casos, o celular é roubado enquanto as pessoas estão tirando fotos ou enviando mensagens, ou seja, em momentos em que o aparelho já está desbloqueado.

Por isso, acrescenta o executivo, “é importante comunicar ao banco o roubo do celular assim que perceber que não está mais com o aparelho. Dessa forma, a instituição financeira poderá bloquear o acesso à conta por meio do aplicativo do banco instalado no celular roubado e impedir que os bandidos realizem qualquer operação”.

Para reduzir os riscos de ser vítima de golpistas, a Febraban destaca as seguintes orientações:
• Nunca empreste ou entregue o seu cartão para ninguém e nunca o perca de vista. Pode haver a troca do cartão sem que você perceba;
• Ao efetuar pagamentos com seu cartão, não deixe que ele fique longe do seu controle, confira o valor e tome cuidado para que ninguém observe a digitação da sua senha;
• Ao finalizar a compra e pegar o cartão de volta, veja se é o seu nome que está nele.
• Solicite sempre a via do comprovante de venda e confira o valor impresso da compra;
• Sempre que possível, passe você mesmo o cartão na maquininha.
• Cadastre-se para receber avisos por SMS ou e-mail a cada transação realizada com seu cartão, assim, é possível identificar com rapidez uma transação fraudulenta;
• Nunca guarde a senha junto com o cartão. Isso reduz o risco em casos de perda ou roubo;
• Tome cuidado com esbarrões ou encontros acidentais, que possam levar a perder de vista, temporariamente, o seu cartão magnético. Se isso ocorrer, verifique se o cartão que está em seu poder é realmente o seu. Em caso negativo, ligue imediatamente para o banco e solicite o cancelamento do cartão;
• Quando for destruir um cartão, corte o chip ao meio. Mesmo com o plástico cortado, é possível fazer transações se o chip estiver intacto;
• Em caso de roubo, perda ou extravio do seu cartão, ligue imediatamente para a Central de Atendimento do seu banco e solicite o cancelamento do cartão. Em caso de roubo, também registre um B.O. na delegacia mais próxima.

Veja também

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes
Mercado

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?
Tecnologia e games

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?