Noronha terá habitacional Vacaria Eduardo Campos com 56 casas, diz Araújo

Bruno Araújo chega a Noronha neste domingo e, na quarta-feira, estará conferindo o espaço do loteamento.

Fernando de NoronhaFernando de Noronha - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Na condição de ministro das Cidades, Bruno Araújo fará sua primeira visita à ilha de Fernando de Noronha no período de Momo. E, apesar de desembarcar no arquipélago para descanso, cumprirá agenda administrativa ao lado do administrador, Luis Eduardo Antunes. Os dois farão uma visita ao terreno, onde devem ser construídas 56 casas do habitacional Loteamento Vacaria Eduardo Campos, através do programa Minha Casa Minha Vida.

O projeto está pronto e, segundo Luis Eduardo, orçado em R$ 17 milhões, montante que envolve a construção das moradias e urbanização, incluindo estrada, saneamento, esgoto e calçamento. A proposta é amenizar o déficit habitacional na ilha. Este deve ser a segunda vez que o Minha Casa Minha Vida atende o arquipélago. Em 2010, o ex-governador Eduardo Campos chegou a inaugurar algumas unidades em Noronha.

Há cerca de cinco meses, Luis Eduardo esteve com o ministro, em Brasília, quando apresentou o pleito. A passagem de Bruno pelo local, já reservado para execução das obras, à margem da BR-363, na Vila Vacaria, se dá também como resposta a essa articulação, intermediada pelo conselheiro distrital da ilha, Milton Luna.

"O atendimento do pleito pelo Ministério das Cidades seria de grande importância para comunidade de Noronha, uma vez que esse déficit habitacional é histórico e a gente tem plena confiança e certeza de que o ministro Bruno vai ser sensível a isso. Estamos confiantes que esse programa habitacional no Loteamento da Vacaria vai ser concretizado, um sonho antigo da comunidade de Noronha", sublinha Luis Eduardo.

Bruno Araújo chega a Noronha neste domingo e, na quarta-feira, estará conferindo o espaço do loteamento. O ministro faz observações sobre as peculiaridades de se construir na ilha.

"O preço da construção de um imóvel em Noronha é um preço muito acima da média nacional, pela questão logística, que torna a construção atípica, muito cara", realça o tucano, um dos quatro representantes de Pernambuco na Esplanada.

Ele enumera os trâmites que precisará cumprir para que o projeto seja executado. "Eu estou terminando de regulamentar as coisas principais do programa e quero, sim, ajudar com um empreendimento em Noronha. Tenho que mudar as normativas para permitir preços especiais, por exemplo, para atender áreas insulares, para definir preço factível de ser aceito por uma construtora, que faça o empreendimento lá. Preciso resolver questões normativas", adianta.

Ainda segundo Bruno, é preciso estudar o orçamento, enquadramento de preço e se a proposta está bem incorporada ao conceito da ilha. O ministro grifa que irá à Fernando de Noronha passar o Carnaval e às suas expensas, mas aproveitará para avançar nas tratativas com Administração Distrital.

Veja também

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes
Mercado

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?
Tecnologia e games

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?