Economia

Nova derrota do governo e retração no 1º tri derrubam Bolsa; dólar vai a R$ 4

Diante desse contexto, o Ibovespa chegou a 90.294 pontos, menor nível desde 3 de janeiro

BNDES acumula desde 2015 mais de R$340 bilhõesBNDES acumula desde 2015 mais de R$340 bilhões - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A nova derrota do governo Bolsonaro na Câmara e a retração da atividade econômica no primeiro trimestre, segundo dados do Banco Central, levaram a Bolsa brasileira a recuar mais de 2% na manhã desta quarta-feira (15).

Logo após a abertura, o Ibovespa chegou a 90.294 pontos, menor nível desde 3 de janeiro, quando a Bolsa bateu os 89.921 pontos mas fechou acima dos 91 mil pontos. O dólar acompanhou o viés negativo e bateu os R$ 4.

Na terça (14), oposição e centrão impuseram mais uma derrota ao governo na Câmara dos Deputados. Foi aprovada a convocação do ministro da Educação, Abraham Weintraub, para o plenário da Câmara prestar esclarecimentos do bloqueio de R$ 7,3 bilhões na pasta aos 513 parlamentares.

Inicialmente, Weintraub falaria na comissão de educação, mas foi surpreendido pela articulação dos parlamentares. A intenção do PSL, partido de Jair Bolsonaro, era derrubar a deliberação e impedir que o ministro fosse obrigado a vir, mas foi derrotado por 307 votos a 82.

Leia também:
Maia diz que falta de clareza de políticas de Bolsonaro dificulta aprovação da Previdência
Reforma tributária não precisa esperar Previdência, diz relator


"Vamos ver quantos votos o governo tem", debochou o líder da maioria, Aguinaldo Ribeiro (PP-AL), quando deputados do PSL pediram para fazer a votação nominalmente.

O episódio deixa investidores cautelosos com a aprovação da reforma da Previdência, que depende da boa articulação do governo com o centrão.
Outro dado preocupante para o mercado é a confirmação do Banco Central de que a atividade econômica brasileira registrou retração de 0,68% no primeiro trimestre.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) recuou também na comparação de março com fevereiro, apresentando queda de 0,28%. Economistas previam queda de 0,20%, segundo projeções das agências Bloomberg e Reuters. "Todos estes fatores negativos fazem com que o investidor realize lucros e se proteja. No ano, a saída de investidores estrangeiros já soma R$ 2,5 bilhões.

Dependemos de uma boa reforma da Previdência para melhorar o quadro econômico brasileiro", afirma Álvaro Bandeira, economista-chefe da Modalmais.
Às 15h18, o Ibovespa, maior índice acionário do país, amenizou queda, com recuo de 0,5%, a 91.641 pontos. Até o momento, o volume financeiro soma R$ 9,7 bilhões.

O dólar também freou e sobe 0,1%, a R$ 3,9810. Na maior alta do dia, a moeda chegou a R$ 4,0230.No exterior, os pregões também iniciaram em queda, após dados fracos da economia chinesa. No momento, o viés é positivo e as Bolsas globais continuam recuperação do tombo de segunda (13), marcado pelo acirramento da guerra comercial entre China e EUA.

Dow Jones sobe 0,68%, S&P 500 tem alta de 0,78% e Nasdaq tem ganhos de 1,3%. Índices asiáticos fecharam em viés positivo. Bolsa do Japão teve alta de 0,58%. Hong Kong subiu 0,5% e o índice CSI 300, que mede o desempenho dos papéis das bolsas de Shangai e Shenzen, disparou 2,25%.

 

Veja também

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chipsSmatphones

Apple bate recorde de vendas nos últimos três meses de 2021, apesar da escassez de chips

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadasLoteria

Mega-Sena acumula de novo e vai a R$ 31 milhões; confira as dezenas sorteadas