Economia

Novo cálculo do plano de saúde só em 2019

Com a nova regra, passa a combinar o Índice de Valor das Despesas Assistenciais (IVDA) mais o IPCA

Plano de saúdePlano de saúde - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

A Agência Nacional de Saúde Suplementar anunciou, ontem, que foi autorizada, a partir do próximo ano, a aplicação de nova metodologia para calcular o reajuste do plano de saúde individual e familiar. Hoje, esse cálculo é feito com base nas despesas dos planos coletivos a partir de 30 vidas.

Com a nova regra, passa a combinar o Índice de Valor das Despesas Assistenciais (IVDA) mais o IPCA. Sendo assim, o novo índice de reajuste será, segundo a pasta, mais previsível, se baseando nas despesas médicas dos planos individuais e na inflação geral da economia. O novo modelo ainda trará como benefício a redução do tempo entre o período do cálculo e o da aplicação do reajuste, o que resultará em um percentual menor no valor dos planos. "Esse modelo é um grande passo para a ANS, para os beneficiários de planos de saúde e para o setor regulado. É uma forma mais eficiente e transparente de cálculo e vai refletir com maior exatidão os custos em saúde", avalia o diretor de Normas e Habilitação de Produtos da ANS, Rogério Scarabel.

Para o advogado especializado em direito à saúde do escritório Vilhena Silva Advogados, Rafael Robba, a mudança na metodologia parece próxima de um ponto de equilíbrio, mas que continuará exigindo da ANS uma fiscalização nesses custos operacionais das operadoras. " Com 80% da composição do índice de reajuste baseados em despesas assistenciais das operadoras, que serão fornecidas por elas próprias à ANS, é preciso aumentar a fiscalização”, ressalta o especialista.

Leia também:
Pernambuco recebe investimento de R$ 66,3 milhões para Saúde
Plano de saúde: nova resolução da ANS garante mais direitos a usuários
Profissionais trocam postos de saúde pelo Mais Médicos e causam desfalque

Já na visão do também especialista em direito à saúde, Elano Figueiredo, ao criar o índice baseado na eficiência das operadoras, a ANS vai estimular as empresas a buscar a eficiência e assim, reduzir os custos e o valor do reajuste.

“Em suma, quanto mais eficiente a operadora for, menor será o reajuste ao consumidor. Porém, precisamos esperar um pouco mais para aplicação de fato dos novos cálculos e verificar se haverá redução real no percentual de reajuste”, explica Figueiredo. Ele acredita que com a nova resolução, a ANS está construindo o futuro dos planos individuais, que representa 17% do total de clientes de planos de assistência médica no País. Em nota, o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) lamentou a publicação da resolução sem a ANS realizar simulação do real impacto para o consumidor.

Veja também

Quase 29 milhões de declarações do IR foram entregues, diz Receita
Imposto de Renda

Quase 29 milhões de declarações do IR foram entregues, diz Receita

Avell lança linha de notebooks HYB e Storm Two para usuários que precisam de alta performance
NOTEBOOK

Avell lança linha de notebooks HYB e Storm Two para usuários que precisam de alta performance