A-A+

Novo plano de combate à seca é discutido em reunião técnica

Ministério da Agricultura irá estudar novo modelo de Zoneamento Agrícola, visando formas de produção e de um melhor rendimento em zonas afetadas pela estiagem

Pernambuco enfrenta crise hídrica há vários anos, o que aponta para o esgotamento dos recursos naturais cada vez mais cedoPernambuco enfrenta crise hídrica há vários anos, o que aponta para o esgotamento dos recursos naturais cada vez mais cedo - Foto: Alfeu Tavares/Folha de Pernambuco

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) vai criar um novo modelo de Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) para o Nordeste. A ideia é que o zoneamento ajude os produtores agrícolas a escolher o momento certo do plantio e, assim, minimize os prejuízos da seca nas lavouras, sobretudo no Semiárido de Pernambuco, que sofre com a estiagem desde 2011.

Segundo o Mapa, o zoneamento de risco determina a época mais adequada de plantio, levando em conta o tipo de cultura, o solo de cada região e a indicação de risco da produção e será discutido a partir desta quarta-feira (24). O tema será pauta da reunião técnica do projeto de pesquisa de Avaliação de Riscos e Resiliência Agroclimática (Arra) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que acontece na sede da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), no Recife.

Leia também 
Ministério da Agricultura pede fim de lista de peixes ameaçados
Ministra da Agricultura garante R$ 3 mi para pesquisa em fruticultura

A partir daí, as unidades da Embrapa no Nordeste vão selecionar, junto com o Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) e a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), os focos de atuação, os sistemas de produção com maior potencial transformador e as chances de sucesso do novo zoneamento, bem como alternativas para geração de renda, emprego e sustentabilidade na agricultura do Nordeste. Também serão delimitadas a área e a amostragem de testes do programa.

“Estamos reunindo conhecimento e casos de sucesso que reduzem o risco climático na produção agrícola na região e melhoram a renda do produtor. Precisamos fortalecer os mecanismos que promovam o uso massificado dessas soluções e os programas e políticas do Mapa são fundamentais nesse processo, à medida que podem incentivar os sistemas de produção mais adequados”, afirmou o coordenador da Rede Zarc-Embrapa, Eduardo Monteiro.

Na semana passada, o presidente da Federação da Agricultura do Estado de Pernambuco (Faepe), Pio Guerra, já havia reiterado a necessidade de medidas de combate à seca com a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Para ampliar a receita dos produtores pernambucanos, ele pediu, entre outras coisas, maior estímulo ao uso da palma forrageira e mais atenção às atividades da pecuária.

 

Veja também

Aeroporto Internacional do Recife é o 4º mais pontual do mundo, aponta relatório
Aviação

Aeroporto Internacional do Recife é o 4º mais pontual do mundo, aponta relatório

Combustível nas alturas: GNV promove economia de até 50%
Fmotors

Combustível nas alturas: GNV promove economia de até 50%