Petrobras

Novo presidente da Petrobras diz que buscará maior integração com a sociedade

Durante cerimônia de posse, José Mauro Ferreira Coelho disse que dívida menor abre espaço para maiores investimentos em exploração e produção de petróleo

Foto: Reprodução/Youtube

O novo presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, disse que a estatal vai continuar investindo no pré-sal e seguir com a venda de ativos, como as refinarias. Afirmou ainda que vai buscar melhorar a comunicação externa da companhia.

"Farei uma gestão com todas essas questões internas da companhia, uma  gestão que valorizará o aperfeiçoamento da comunicação. Principalmente o aperfeiçoamento da comunicação externa. Buscaremos maior interação com a sociedade. Temos que entender a importância que essa empresa tem para o brasileiro. Muitas vezes não conseguimos ter uma comunicação que chegue de forma palatável ao povo brasileiro. (Vamos buscar) uma maior interação com o Congresso", disse.

Ele tomou posse em cerimônia na tarde desta quinta-feira (14) em evento transmitido pela internet. A melhoria na comunicação da estatal foi uma das queixas apontadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

José Mauro destacou ainda que a empresa vai buscar cada vez mais uma maior eficiência nos negócios de forma a trazer mais retorno para a sociedade através do pagamento de tributos e distribuição de royalties. Lembrou que a empresa não vai esquecer dos planos sociais da companhia.

Durante seu discurso, ele disse que vai seguir com o plano de negócios estabelecido pela companhia para os próximos anos. Destacou que a empresa vai aumentar a produção em 500 mil barris por dia nos próximos annos.  Lembrou que o foco  é seguir ampliando os investimentos no pré-sal.

"Vamos trabalhar com aderência ao nosso plano de negócios, maximizando o valor do portólio com foco em ativos em águas ultraprofundas e focar no pré-sal. Os desinvestimentos em ativos maduros vão continuar, mas a Bacia de Campos continua sendo prioridade. Vamos investir em áreas de novas fronteiras, como a bacia de Sergipe-Alagoas", comentou.

O novo presidente da Petrobras lembrou que vai continuar a venda de ativos para buscar maior concorrência no país. Citou a venda de ativos de gás e de refino:

"O objetivo é ficar com ativos do refino que estejam próximos ao mercado consumidor. Temos o intuito de dar  continuidade na concorrência no refino. Seguimos comprometidos com a venda de refino", disse.

Ao ressaltar a importância da continuidade da venda das refinarias, José Mauro lembrou que o Brasil é ainda  importador de combustíveis, o que impõe desafios  para a garantia do abastecimento no Brasil.

Classificou a Petrobras como uma "extraordinária empresa". Emocionado, disse que tem orgulho de ingressar na companhia. Lembrou que em 2014 a dívida bruta era de US$ 140 bilhões, uma  das maiores do mundo. E hoje, destacou,  é inferior a US$ 60 bilhões.

"Isso abre espaço para que possamos fazer maiores investimentos. Ano passado, foram US$ 8,8 bilhões. Essa potência energética é a sétima mior produtora de petróleo e  que poderá chegar a posição de quinta maior produtora do mundo em 2030", disse ele, que agradeceu a Deus, ao presidente Jair Bolsonaro, ao ministro de Minas e energia, Bento Albuquerque, e a sua família.

Participaram da posse Bento Albuquerque,  ministro de Minas e Energia,  Rodolfo Henrique de Saboia, diretor-Geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), e Márcio Andrade Weber, o novo presidente do Conselho de Administração da Petrobras.

Weber disse para o novo presidente da Petrobras que os "desafios serão grandes e complexos". Ao listar o currículo do novo presidente da empresa, Weber desejou ainda boa sorte ao executivo.

"Hoje pela manhã o Conselho de Administração em reunião extraordinária escolheu José Mauro para servir como presidente da companhia. E já discutimos os planos e objetivos a partir de hoje. Deixamos claro que o Conselho vai apoiá-lo", disse Weber.

Veja também

Como se proteger contra fraudes relacionadas ao apagão cibernético
apagão

Como se proteger contra fraudes relacionadas ao apagão cibernético

PT diz que Campos Neto usa BC como 'bunker para sabotagem econômica' do País
crítica

PT diz que Campos Neto usa BC como 'bunker para sabotagem econômica' do País

Newsletter