Inflação

Novos choques em 2022 podem atrasar recuo da inflação rumo à meta, diz Campos Neto

Segundo o presidente do Banco Central, novos choques externos em 2022, como uma alta dos juros do Fed (banco central dos EUA), podem retardar a queda da inflação

Presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos NetoPresidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto - Foto: Raphael Ribeiro/BCB

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que novos choques externos em 2022, como uma alta dos juros do Fed (banco central dos EUA), podem retardar a queda dos juros e da inflação no Brasil, o que pode influenciar futuras decisões do governo.

Neto foi perguntado sobre o tema durante um debate do banco de investimentos Goldman Sachs, em Washington. "Achamos que é perfeitamente possível fazer o trabalho [de baixar a inflação] com o ritmo que estamos mantendo [de alta na taxa básica de juros], a não ser que outro choque aconteça", disse ele.

"É importante passar a mensagem que 2022 é nossa meta. Temos condições extraordinárias em termos de dinâmica de inflação e faremos o que for preciso para colocar a inflação na meta", afirmou.

"Obviamente, o ciclo de ajuste de taxas de juros globalmente falando, vai influenciar no que fazemos. Mas quando você olha no que encaramos, em termos como diferenças nas taxas de juros, o poder de espalhamento disso é baixo, por que temos muitos ruídos que são nossos, como problemas de energia. O real teve também teve uma grande desvalorização em 2020, outros países vizinhos tiveram apreciação", disse.
Uma alta nos juros pagos pelo Fed, o banco central americano, pode fazer com que investidores retirem dinheiro do Brasil para aplicar nos EUA, o que pode afetar o mercado brasileiro.

"Há um risco, de que quando o Brasil esteja perto do fim do ciclo [de chegar na meta], seja surpreendido por um novo choque, mas então teremos de ver, naquele momento, quando ocorrer o impacto, qual será o impacto do choque no interno do Brasil. É uma preocupação sim, mas não uma grande preocupação. Temos que ver quando vier e se vier, e agora temos de focar em ser muitos claros sobre nosso trabalho para trazer a inflação [para a meta] dentro do horizonte relevante, que é 2022.

Para este ano, há consenso no mercado e no BC de que a inflação deve estourar a meta fixada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) em 3,75% -com 1,5 ponto percentual de tolerância para cima e para baixo.

A projeção do BC é que a inflação chegue ao pico em setembro, com 10,2%, e desacelere nos meses seguintes, até fechar o ano com 8,5%, 3,25 pontos percentuais acima do teto da meta. Hoje, o Copom já mira o controle de preços de 2022 e 2023, no chamado horizonte relevante, para quando o comitê entende que a política monetária pode fazer efeito, com metas de 3,5% e 3,25%, respectivamente.

Em setembro, o BC elevou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, para 6,25% ao ano, e indicou que fará nova alta de mesma magnitude na próxima reunião, neste mês.

Neto também falou sobre o câmbio, e reafirmou que o Banco Central busca intervir na cotação da moeda apenas quando há risco de que a flutuação afete a inflação. "O real precisa flutuar para absorver choques quando necessário. Ao mesmo tempo, dada a melhora nos termos de comércio, a absorção de choque não tem funcionado na direção em que antecipamos, não só para o Brasil", disse.

"O importante é quanto isso influi na inflação e nas expectativas de inflação. Nós intervimos no mercado quando vemos que ele está disfuncional. Se vemos um grande fluxo, se está se afastando muito dos fundamentos e criando uma demanda por si só. Esta é uma decisão colegiada. E nunca intervimos no prazo muito curto, em tempo real", completou.

Campos Neto veio a Washington para participar da reunião anual do FMI, cuja maioria dos eventos ocorre a portas fechadas. Ele disse que um dos temas mais debatidos no encontro foram as mudanças na demanda, geradas pela pandemia, e se elas serão temporárias ou definitivas. Também comentou que saiu com reflexões sobre a complexidade da economia para a transição rumo à economia verde.

O presidente do BC foi questionado pelo moderador do debate, Alberto Ramos, que é diretor do grupo de pesquisa econômica para América Latina do Goldman Sachs. Ramos ressaltou que o Brasil atingiu uma inflação de dois dígitos pela primeira vez desde 2016, que o país vive um cenário político complicado a um ano das eleições e que o real sofreu forte desvalorização no mercado.

Neto disse que a situação da economia brasileira é resultado de uma série de choques trazidos pela pandemia, como as mudanças na demanda por produtos, as falhas nas cadeias de suprimentos, a alta nos preços de energia no mundo e a seca no Brasil.

Veja também

'Metaverso mudará a cognição humana', diz Marcelo Lacerda, presidente do conselho da MagnopusTECNOLOGIA

'Metaverso mudará a cognição humana', diz Marcelo Lacerda, presidente do conselho da Magnopus

Após nova alta dos combustíveis, Lira diz que Senado deve ser cobradoCombustível

Após nova alta dos combustíveis, Lira diz que Senado deve ser cobrado