ricos

Número de milionários cresce no Brasil e chega a quase 200 mil

De 2018 a 2019, o total de milionários subiu 8,8%, com aumento em todas as regiões do mundo

DinheiroDinheiro - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O número de milionários no Brasil cresceu 7% e chegou a 199 mil em 2019. A informação é do World Wealth Report de 2020, publicado nesta quinta-feira (9) pelo instituto de pesquisa Capgemini.

Em números brutos, o Brasil é 18º país com o maior número de milionários, parte em razão do seu tamanho, já que fica na frente de países ricos como Suécia e da Áustria.

Estados Unidos, Japão, Alemanha e China, os quatro primeiros colocados no ranking, concentram 61,6% da chamada população HWNI (sigla para indivíduo cm alto patrimônio líquido, uma pessoa com investimentos superiores a US$ 1 milhão). Os EUA têm quase 6 milhões de milionários.

De 2018 a 2019, o total de milionários subiu 8,8%, com aumento em todas as regiões do mundo. São 19,6 milhões de pessoas contra 18 milhões em 2018. A riqueza cresceu 8,6% e representa US$ 74 trilhões.

Na América Latina, a alta foi de 2,7%. O maior crescimento foi registrado na América do Norte (10,9%), seguida do Oriente Médio (9,3%). Foi a primeira vez desde 2012 que a região Ásia-Pacífico não liderou o crescimento da riqueza. A América do Norte registrou alta de 11%, enquanto a América Latina, 4,4%. "O aumento das tensões comerciais e a agitação geopolítica exigiram confiança nos negócios, nas decisões de investimento e no comércio global", afirmou o relatório.

Analistas da Capgemini mencionam também uma "mudança notável nas acomodações de política monetária em várias regiões –e otimismo de desempenho do setor de tecnologia", o que teria acalmado tensões no mercado financeiro.

O relatório do ano passado, portanto relativo a 2018, apresentou a primeira baixa de milionários após sete anos consecutivos de alta. A queda foi consequência da guerra comercial entre China e Estados Unidos, que derrubou o desempenho econômico do país asiático, e no Brexit, com as incertezas no mercado europeu.

O impacto da Covid-19 será registrado no balanço do próximo ano. No primeiro trimestre de 2020, a pandemia de coronavírus contraiu US$ 18 trilhões de mercados globalmente. A estimativa do instituto é de redução de 6% a 8% na riqueza global até o fim de abril de 2020.

Pobreza 
De acordo com o Banco Mundial, as estimativas mais recentes sobre pobreza, de 2015, mostram que 10% da população mundial ou 734 milhões de pessoas vivem com menos de US$ 1,90 dólar por dia. Em 1990, eram 36%, 1,9 bilhão de pessoas.

Devido à Covid-19, a instituição estima que até 60 milhões de pessoas entrem em extrema pobreza (menos de US $ 1,90 ao dia) este ano. A taxa global de pobreza extrema pode aumentar de 0,3 a 0,7 pontos percentuais, para cerca de 9% em 2020.

Dado recente da ONU aponta para 500 milhões de pessoas em situação de pobreza no mundo.

Veja também

Produção de veículos faz indústria crescer em junho, mas distante de rombo da pandemia
Veículos

Produção de veículos faz indústria crescer em junho, mas distante de rombo da pandemia

Expansão da rede de saneamento demanda R$ 498 bi em investimentos até 2033
Investimento

Expansão da rede de saneamento demanda R$ 498 bi em investimentos até 2033