A-A+

Ocupação hoteleira em Pernambuco alcança 95,38% no Carnaval

Dados foram divulgados pela Secretaria de Turismo e Lazer

Foliões curtem o Carnaval de BezerrosFoliões curtem o Carnaval de Bezerros - Foto: Heudes Regis/SEI

A taxa média de ocupação hoteleira de Pernambuco no Carnaval cresceu este ano em comparação ao ano passado: de 95% para 95,38%. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Turismo e Lazer, que ouviu 204 meios de hospedagem até a Quarta-Feira de Cinzas (26). Principais polos da folia no Estado, Recife e Olinda registraram 98,56% e 99%, respectivamente.

Entre as cidades do Agreste pernambuco, destaque para Bonito (100%), Gravatá (99,29%) e Surubim (98,50%). Bezerros (96,67%) - tradicional polo carnavalesco pela cultura dos papangus - e Pesqueira (95%) - a terra dos caiporas - também se destacaram. Na Região Metropolitana do Recife, Jaboatão dos Guararapes teve ocupação de 110% e Triunfo, no Sertão do Pajeú, fechou o período com 100%. Destinos turísticos de sol e mar, Fernando de Noronha e Porto de Galinhas tiveram 99,24% e 95,55%.

Leia também:
Cresce ocupação hoteleira em Pernambuco para o Carnaval
Carnaval de Olinda recebeu 3,6 milhões de foliões e movimentou R$ 295 milhões


“O período carnavalesco é um atrativo tanto para o turista interno quanto para os que vêm de fora do Estado. A representatividade de Pernambuco nessa festa popular movimenta toda a cadeia do turismo, faz aumentar o número de voos para a capital e aquece fortemente a economia do Estado”, ressalta o secretário de Turismo e Lazer, Rodrigo Novaes.

A pesquisa da Empresa Pernambucana de Turismo (Empetur) também levou em conta dados acerca da permanência dos turistas em solo pernambucano. A média geral indica uma taxa de 3,7 dias, com picos em cidades como o Recife (4,3 dias), Fernando de Noronha (4,8), Tamandaré (4,2) e Olinda (5,1).

Veja também

Montanha-russa de emoções: O que a pane das redes diz sobre a saúde mental?
Tecnologia e Games

Montanha-russa de emoções: O que a pane das redes diz sobre a saúde mental?

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou
Flexibilização

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou