Economia

Odebrecht quer acordo para continuar operando no Peru

O ministério da Justiça anunciou a criação de um grupo para analisar as denúncias de subornos contra a Odebrecht no Peru entre 2005 e 2014

Anderson Ferreira (D) contou que o senador Davi Alcolumbre (C) vai procurar a direção da Caixa Econômica Anderson Ferreira (D) contou que o senador Davi Alcolumbre (C) vai procurar a direção da Caixa Econômica  - Foto: Divulgação

A Odebrecht, que admitiu ter pago subornos em vários países para realizar obras públicas, está disposta a fazer um acordo com a Justiça do Peru - a exemplo do que ocorreu com os Estados Unidos - para prosseguir operando no país.

"Baseados na experiência que tivemos em países como Estados Unidos, Brasil e Suíça, reconhecemos a importância do uso de mecanismos de cooperação com a Justiça, buscando reparar danos", disse o novo representante da Odebrecht em Lima, Mauricio Cruz, em um comunicado a seus funcionários.

Nos acordos firmados com Estados Unidos e Suíça, a Odebrecht admitiu - entre outras coisas - ter pago 29 milhões de dólares em subornos para vencer licitações no Peru entre 2005 e 2014.

Segundo a Odebrecht, há 37 anos no Peru, sua disposição de colaborar com a Justiça tem como premissa "que a empresa se mantenha ativa, servindo a seus clientes privados e públicos".

Na quarta-feira, o presidente do Conselho de Ministros do Peru, Fernando Zavala, anunciou mudanças na lei de licitações públicas no país para excluir a Odebrecht e outras empresas ligadas à corrupção.

"Odebrecht e outras não vão poder participar de novas licitações enquanto permanecerem sanções por atos de corrupção, como neste caso que eles mesmos admitiram tais práticas", declarou Zavala.

O ministério da Justiça anunciou na terça-feira a criação de um grupo especial para analisar as denúncias de subornos contra a Odebrecht no Peru entre 2005 e 2014.

A Odebrecht participou de cerca de 40 projetos no período investigado, envolvendo mais de 12 bilhões de dólares em gasto público, segundo o procurador anticorrupção Amado Enco.

Veja também

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros
Letra de Crédito do Desenvolvimento

LCDs podem deixar bancos estaduais menos dependentes dos tesouros

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Na presidência do G20, Brasil quer menos burocracia nos fundos verdes

Newsletter