Pacto pela ferrovia Transnordestina

O empreendimento está há dez anos com o cronograma atrasado.

Michel Temer, ministros e governadores se reuniram para traçar estratégiasMichel Temer, ministros e governadores se reuniram para traçar estratégias - Foto: Beto barata/pr

 

Na tentativa de destravar a Ferrovia Transnordestina, um grupo formado pelos ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e de Transportes, Portos e Aviação, Maurício Quintella, e pelos governadores do Piauí, Wellington Dias, do Ceará, Camilo Santana, e de Pernambuco, Paulo Câmara, além do parceiro privado da intervenção, vai procurar o Tribunal de Contas da União (TCU) para garantir o cumprimento de todas as etapas necessárias para a retomada das obras. O empreendimento está há dez anos com o cronograma atrasado.
“Eu acho que demos um pas­so importante, a partir do momento em que todas as par­tes sentaram à mesa para iniciar um processo de busca de alternativas, de destravamento dos gargalos com uma obra que é fundamental”, des­tacou Câmara, ressaltando que, juntamente com os de­mais, procurará dar esclarecimentos necessários ao TCU.
Paulo explicou ainda que já há uma garantia de R$ 300 milhões, por parte do Fundo de Investimentos do Nordeste (Finor), e mais R$ 130 milhões, do Orçamento Geral da União (OGU) para a conclusão da Ferrovia. “E há, ao mesmo tempo, um acordo entre o par­ceiro privado e o Governo Federal para que, em todo o andamento da obra, seja disponibilizado 50% de parte de cada item deste. Então, isso dá uma engenharia necessária para a finalização da obra”, detalhou.
Esta semana, segundo matéria publicada no Estado de São Paulo, o governo havia concordado em aportar mais de R$ 1,4 bilhão para concluir a Transnordestina e que a CSN, sócia privada no empre­­endimento, prometia colo­­car mais R$ 1,8 bi até 2021. So­­bre a questão, a pasta nacio­­nal informou que não hou­ve liberação de recurso do Mi­­nistério. “O valor informado de R$ 1,4 bilhão correspon­de ao remanescente dos recursos públicos ainda não aportado no empreendimento”.

 

Veja também

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego
Economia

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil