Economia

Pagamento de contas inativas do FGTS não terá impacto no curto prazo

Para eles, os valores a serem pagos são baixos, e devem ser usados para pagar dívidas ou para subsistência

 

A injeção de cerca de R$ 30 bilhões na economia com o pagamento das contas inativas do FGTS aos trabalhadores não deve ter um forte impacto na economia no curto prazo, na avaliação de especialistas. Para eles, os valores a serem pagos são baixos, e devem ser usados para pagar dívidas ou para subsistência.
Segundo o Governo, maioria dos trabalhadores tem saldo inferior a R$ 500. Para 24%, o saldo fica entre R$ 500 e R$ 1.500. Somados, os dois grupos representam 80% do total de quem pode sacar o dinheiro. O restante tem mais de R$1.500 a receber.
O economista e professor de Cenários Econômicos da Faculdade dos Guararapes (FG), Tiago Monteiro, avalia como positivo esse incremento na economia, pois muitos trabalhadores terão uma renda extra para pagar suas dívidas. “Com o aumento do desemprego, muitas famílias ficaram endividadas. E o FGTS vai ajudar a saldar as dívidas e aliviar um pouco o orçamento familiar”, comentou.
Já para o professor do Departamento de Economia da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Luiz Maia, esses valores de­vem ser usados para subsistência das famílias e em pequenas dívidas.

 

Veja também

Câmara aprova teto do ICMS para combustíveis e energia, que deve baixar preços no ano eleitoral
COMBUSTÍVEL

Câmara aprova teto do ICMS para combustíveis e energia, que deve baixar preços no ano eleitoral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 100 milhões
Loteria

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 100 milhões