A-A+

Economia

País cria 309 mil vagas com carteira assinada em junho, segundo dados do governo

Junho seguiu com a tendência de reaquecimento no mercado formal

Carteira de trabalho digitalCarteira de trabalho digital - Foto: Divulgação/Seteq

Em junho, foi registrada a abertura de 309.114 vagas de emprego com carteira assinada no país, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Ministério da Economia.

O saldo foi resultado de 1,601 milhão de contratações e 1,291 milhão de desligamentos no mês, de acordo com o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

A abertura de vagas formais no mês mostra uma recuperação do mercado de trabalho.

Em janeiro foram criados 261,3 mil novos contratos e em fevereiro, 397,7 mil. Desde março, com a alta no número de casos e de mortes de Covid-19, o resultado foi menor. Foram 176,4 mil novos postos de trabalho em março, seguidos de 116,1 mil em abril, e 276 mil, em maio.

Junho seguiu com a tendência de reaquecimento no mercado formal e o número registrado foi o segundo melhor no ano.


No acumulado de janeiro a junho, o saldo no mercado de trabalho formal brasileiro é positivo, com 1,536 milhão de novas vagas num período de crise provocada pela pandemia.

 



No mesmo período do ano passado, haviam sido fechados 1,198 milhão empregos com carteira assinada, pois, de março a maio de 2020, por exemplo, o impacto da chegada do novo coronavírus resultou no encerramento de mais de 1,2 milhão contratos de trabalho formais.

Para tentar evitar demissões em massa na crise, o presidente Jair Bolsonaro editou medidas provisórias para que regras trabalhistas sejam flexibilizadas novamente diante do agravamento da pandemia.

Com isso, foi recriado o programa que permite o corte de jornada e salários de trabalhadores da iniciativa privada, além da suspensão temporária de contratos.


O saldo de junho (criação de 309,1 mil vagas) reflete o desempenho positivo em todos os cinco grandes setores da economia brasileira. O resultado foi puxado pelo setor de serviços, que abriu 125,7 mil vagas de emprego no mês.

Em seguida figuram comércio (72,8 mil), indústria (50,1 mil novos postos), agropecuária (38 mil vagas abertas) e, por último, construção (22,4 mil).

Especialistas alertam que os dados do Caged precisam ser analisados com ressalvas desde o ano passado, quando houve mudança na metodologia.


Desde janeiro do ano passado, as informações vêm do eSocial, sistema de escrituração que unificou diversas obrigações dos empregadores. Além de reunir mais informações na mesma base de dados, o novo Caged tornou obrigatório informar a admissão e demissão de empregados temporários. Antes, essa comunicação era facultativa.

Veja também

Petróleo fecha em queda após forte recuperação por tomada de benefícios
Petróleo

Petróleo fecha em queda após forte recuperação por tomada de benefícios

Tesouro é contra créditos extras para renovar auxílio emergencial
Economia

Tesouro é contra créditos extras para renovar auxílio emergencial