Economia

Países ocidentais divergem sobre possíveis sanções ao petróleo e gás russos

Estados Unidos já consideram mudar de postura em relação ao setor energético

Foto: AFP

Os Estados Unidos consideraram nesta segunda-feira (7) que um possível embargo internacional ao petróleo e gás russos deve ser visto "sob um prisma diferente" do restante das sanções adotadas até agora por Washington e seus aliados europeus contra Moscou.

"Vou olhar para isso sob sob um prisma diferente dos esforços coordenados anteriores" para adotar sanções contra a Rússia após a invasão da Ucrânia, declarou a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, diante da relutância da Alemanha em proibir as importações de petróleo e gás russos.

Psaki insistiu durante sua coletiva de imprensa diária nas "circunstâncias muito diferentes" que existem para americanos e europeus em termos de hidrocarbonetos russos.

Enquanto os americanos importam pouco petróleo e gás russos, alguns países europeus, como a Alemanha, dependem fortemente desse mercado.

Psaki especificou que o presidente Joe Biden "ainda não tomou nenhuma decisão" sobre uma possível ação unilateral dos Estados Unidos, no momento em que parlamentares democratas e republicanos preparam um projeto de embargo às importações de petróleo russo.

A Casa Branca teve o cuidado para não pressionar além do necessário a coesão quase perfeita demonstrada até agora pelo Ocidente nas sanções econômicas contra a Rússia, bem como não alimentar a inflação nos Estados Unidos, que já é galopante.

A questão dos hidrocarbonetos russos foi levantada nesta segunda-feira durante uma videoconferência entre Biden, o presidente francês, Emmanuel Macron; o chanceler alemão, Olaf Scholz; e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, segundo a Casa Branca.

Os quatro líderes "afirmaram sua determinação de aumentar ainda mais os custos para a Rússia da invasão não provocada e injustificada da Ucrânia", segundo o boletim.

Por sua vez, a declaração francesa evocou "sua determinação de fortalecer as sanções" contra a Rússia e Belarus, enquanto a dos britânicos prometeu "continuar a pressionar a Rússia".

No entanto, o comunicado divulgado em Berlim após a reunião não mencionou sanções e focou nas preocupações sobre a ajuda humanitária às áreas sitiadas na Ucrânia.

Nesta segunda-feira, Scholz disse que as importações de energia da Rússia são "essenciais" para os europeus, alertando que a proibição da importação de petróleo e gás russos como parte das sanções ocidentais pode comprometer a segurança energética da Europa.

Biden está sob crescente pressão dos legisladores dos EUA para cortar a principal fonte de renda do governo do presidente russo, Vladimir Putin.

Veja também

Júri de NY considera ex-chefe de lobby das armas responsável de corrupção
Corrupção

Júri de NY considera ex-chefe de lobby das armas responsável de corrupção

Ibovespa realiza lucros após série positiva, com avanço de 0,54% na semana
Bolsa de valores

Ibovespa realiza lucros após série positiva, com avanço de 0,54% na semana