Palestra no JCPM Trade Center debate Reforma da Previdência

O economista Paulo Tafner e o secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco foram os palestrantes

Na palestra foram discutidos alguns números para fundamentar a necessidade de aprovação da Reforma Na palestra foram discutidos alguns números para fundamentar a necessidade de aprovação da Reforma  - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Um tema que vem deixando os trabalhadores atentos a cada novo passo dado pelo Governo Federal é a Reforma da Previdência. Na manhã desta sexta-feira (28), uma palestra sobre o assunto, intitulada de Reforma da Previdência - Indispensável ao Ajuste Fiscal e à Retomada do Crescimento Econômico, aconteceu no auditório do JCPM Trade Center.

No encontro, foram discutidos alguns números para fundamentar a necessidade de aprovação da reforma. O economista e pesquisador da FIPE/USP Paulo Tafner e o secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, foram os palestrantes.

“O Governo apresenta aquilo que acha ideal. No entanto, está consciente de que o Congresso fará as alterações que forem cabíveis”, explica o secretário, que defende o texto apresentado, mas diz ainda haver abertura para mudanças. “O processo de Emenda Constitucional só é bem feito quando todos os agentes se conformam para chegar ao final de um resultado que a sociedade espera”, destaca Bianco.

Leia também: 
Centrão se reúne com centrais sindicais para discutir reforma 
Relatório da Previdência é adiado para terça-feira


“Pesquisas mostram que 60% da população é a favor da reforma. Com a aprovação, não será mais possível que tenhamos aposentadorias de R$ 50 mil, R$ 60 mil, e ainda se aposentar por volta dos 40 anos. Quem se manifesta contra é porque defende interesses e privilégios e não pensa no bem estar do povo brasileiro”, destaca Tafner.

Durante o debate, vários pontos sobre a reforma da Previdência foram destacados. É o caso da aposentadoria por tempo de contribuição, que deixará de contar 80% dos maiores salários para contar todas as contribuições. “Deve-se usar um critério básico de justiça. Você deve receber como base naquilo que contribuiu. A forma atual não é muito justa e a diferença quem paga é o povo”, disse Tafner.

“A união não está e nem irá atrasar salários. A situação fiscal nos estados e municípios é grave. Existem municípios onde 95% da receita arrecadada é voltada apenas para pagar pessoal e os aposentados”, completou o economista.

Veja também

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF
Seguro

Pagamento de indenizações do DPVAT passa a ser feito pela CEF