Pesquisa

Pandemia dificulta acesso de 1,5 milhão de pernambucanos ao mercado

Taxa de desocupação no Estado, em maio, chegou a 10,5%

Jovens e mercado de trabalho.Jovens e mercado de trabalho. - Foto: Reprodução/Vinícius Magalhães

Cerca de 1,2 milhão de pessoas fora da força de trabalho, ou seja, que não estavam trabalhando nem procuravam por trabalho, em Pernambuco, gostariam de trabalhar em maio, mas não conseguiram procurar emprego por causa da pandemia da Covid-19 ou por falta de oportunidade na região em que vivem. 

Nesse mesmo período, outros 382 mil trabalhadores estavam desempregados e buscaram ativamente um emprego, mas não encontraram, levando a taxa de desocupação no Estado a 10,5%. Isso significa que mais de 1,5 milhão de pessoas tiveram o acesso dificultado ao mercado de trabalho no mês passado por conta da pandemia. Este número é quase a população inteira do Recife, que tem 1,6 milhão de habitantes.

Esses dados são os primeiros resultados da PNAD Covid-19 por estados, divulgada nesta quarta-feira (24), pelo IBGE. O levantamento é uma versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua), realizada com o apoio do Ministério da Saúde, para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal e também identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho. 

Em maio, o IBGE estima que 3,2 milhões de pessoas estavam ocupadas no Estado, embora 7,6 milhões estivessem em idade para trabalhar. Em Pernambuco, 3,6 milhões estiveram na força de trabalho no mês passado, somando pessoas ocupadas e desocupadas, enquanto aproximadamente 4 milhões de pessoas estavam fora da força de trabalho por alguma razão. 

Entre as 3,2 milhões de pessoas ocupadas no mês passado em Pernambuco, 947 mil estavam temporariamente afastadas do trabalho (em quarentena ou férias coletivas) devido ao distanciamento social, o que representava 28,8% do total de empregados, bem maior do que a média nacional, de 18,6%. No Nordeste, esta proporção é de 26,6%, chegando a cinco milhões de pessoas. Ainda entre os ocupados, a PNAD Covid-19 mostra que 285 mil pessoas trabalharam de forma remota no mês de maio no Estado. Isso representa 13% da população ocupada e não afastada do trabalho em virtude da pandemia. 

Entre as pessoas ocupadas e afastadas do trabalho, seja ou não por conta da pandemia, 620 mil (57,8%) deixaram de receber remuneração em maio. Entre os trabalhadores ocupados e afastados que ainda estavam recebendo vencimentos, 40,4% do total tiveram rendimentos menores do que o habitual no mês passado.

A pesquisa também detectou o recebimento do auxílio emergencial entre os domicílios pernambucanos: 51% dos lares pernambucanos receberam o benefício durante a pandemia, acima da média nacional, de 38,7%, mas ainda abaixo da média nordestina, de 54,8%. O valor médio do rendimento do auxílio em Pernambuco é de R$ 869, semelhante à média nacional, que foi de R$ 847. 

Além disso, a pesquisa mostra que Pernambuco, no mês de maio, somava 1,4 milhão de trabalhadores na informalidade, em uma taxa que chega a 43% da força de trabalho ocupada. Os informais são os empregados do setor privado sem carteira; trabalhadores domésticos sem carteira; empregados que não contribuem para o INSS; trabalhadores por conta própria que não contribuem para o INSS; e trabalhadores não remunerados em ajuda a morador do domicílio ou parente. 

PNAD Covid-19
As entrevistas começaram no dia 4 de maio, e estão sendo feitas, exclusivamente, por telefone, devido ao distanciamento social. Em Pernambuco, pouco mais de sete mil domicílios, distribuídos por 137 municípios, são contatados por mês. Aproximadamente 120 servidores fazem parte da pesquisa no estado. Para definir a amostra da nova pesquisa, o IBGE utilizou a base de domicílios que participaram da PNAD Contínua no primeiro trimestre de 2019 e selecionou aqueles com número de telefone cadastrado.

Em maio, foram realizadas aproximadamente 1.750 entrevistas por semana. A sessão de perguntas dura em torno de 10 minutos e os moradores que receberem o telefonema podem confirmar a identidade dos agentes de coleta por meio do site https://respondendo.ibge.gov.br/ ou do telefone 0800 721 8181, e informar matrícula, RG ou CPF do entrevistador. 

No próximo mês, o IBGE vai apresentar resultados da PNAD Covid 19 para junho por regiões e Unidades da Federação. Os resultados nacionais serão divulgados semanalmente, todas as sextas-feiras. A coleta está prevista para acontecer até um mês após o fim das medidas de distanciamento social.

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia