Pandemia gera impacto de R$ 890 milhões na economia do Recife

Contas públicas da Prefeitura sofreram queda de receita de R$ 520 milhões e a projeção de novas despesas com saúde é de mais R$ 370 milhões

Secretário de Finanças Ricardo Dantas disse que os recursos federais são insuficientesSecretário de Finanças Ricardo Dantas disse que os recursos federais são insuficientes - Foto: Rafael Furtado / Folha de Pernambuco

A pandemia do novo coronavírus impactou em cerca de R$ 890 milhões nas contas públicas da Prefeitura do Recife. A Cidade tem uma projeção de novas despesas na ordem de R$ 370 milhões em ações de saúde e assistência social, além de uma queda de receita que chega aos R$ 520 milhões. Parte das despesas serão repassadas pelo Governo Federal, que vai disponibilizar recursos que vão cobrir 35% do valor total, o que representa R$ 317 milhões, por meio do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus.

A maior parte das novas despesas da gestão municipal se dá pela criação e ampliação dos leitos de enfermarias e unidades de terapia intensiva (UTIs), construção de hospitais de campanha, contratação de corpo profissional na área de saúde e aquisição de equipamentos médicos e de proteção individual (EPIS), além de ações de suporte à população para mitigar os efeitos socioeconômicos da pandemia.

Leia também:
Indústria cai 9,1% com coronavírus e volta ao nível de 2003
Senado aprova socorro aos estados e municípios de R$ 120 bilhões com congelamento de salários
Governo começa a pagar benefício a trabalhador que teve salário reduzido por causa do coronavírus


Segundo o secretário de Finanças do Recife, Ricardo Dantas, as pastas que mais estão recebendo recursos são a de Saúde e a de Assistência Social, com R$ 290 milhões e R$ 80 milhões, respectivamente. “São despesas necessárias para os mais de 1,1 mil leitos na saúde do município sendo 360 de UTIs e mais para assistência social com suporte aos vulneráveis, situação de rua, famílias carentes”, disse.

Dantas afirma que a Prefeitura tem feito ainda um esforço na revisão de contratos para reduzir as suas despesas, mesmo com queda de receita de ISS, IPTU e ITBI, entre outras. “O isolamento acarreta na queda da atividade econômica e, por consequência, na redução nas receitas, o que impacta o nosso orçamento. Teremos o repasse do Governo Federal que vai proporcionar uma cobertura de 35% desses R$ 890 milhões. O município já fez o dever de casa, cortou R$ 230 milhões de programas, de ações, no seu custeio, revisando contratos, a gestão tem buscado o equilíbrio”, declarou.

Segundo o secretário, os recursos que são oriundos do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (PLP 39/2020) e também de aporte de investimentos por Medidas Provisórias, repasse de recursos do Ministério da Saúde e suspensão de pagamento de dívidas, fazem com que a Cidade receba R$ 317 milhões até dezembro, o que ainda não é o suficiente. “Uma ajuda como essa, onde o município não pode se endividar sem aval da União, é muito pouco para resolver um problema que não é local, que tem afetado todo o mundo. O prefeito tem feito o esforço de salvar mais vidas, implantar novos leitos de UTIs e enfermarias, não se faz isso sem recursos financeiros e sem a ajuda do Governo Federal”, contou.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Vendas do Tesouro Direto têm segundo melhor nível para meses de junho
Economia

Vendas do Tesouro Direto têm segundo melhor nível para meses de junho

Chevrolet Tracker não será produzido por mais 30 dias
FMotors

Chevrolet Tracker não será produzido por mais 30 dias