Para economizar, governo muda regra para planos de saúde de estatais

Atualmente, as estatais bancam, em média 77% dos gastos com os planos

Carteirinha de Plano de SaúdeCarteirinha de Plano de Saúde - Fotos Públicas

O governo federal alterou as regras para a participação dos funcionários das empresas estatais em planos de saúde. Duas resoluções publicadas nesta sexta-feira (26) no "Diário Oficial da União" aumentam a participação dos novos funcionários no pagamento das mensalidades.

Os empregados terão que contribuir com o mesmo montante que seus empregadores. Atualmente, as estatais bancam, em média 77% dos gastos com os planos. O prazo de migração para o sistema paritário (50% pago pelos funcionários e 50% pelas empresas) é de 48 meses.

Leia também:
Empresário individual terá que cumprir exigências para plano de saúde coletivo


As resoluções da Comissão Interministerial de Administração de Participações Societárias da União visam estancar o crescimento de gastos das estatais.
As resoluções também definem um teto de gasto com plano de saúde. Não pode passar de 8% da folha salarial ou aumentar mais do que 10% do que foi pago no ano anterior -valendo o que for menor.

De acordo com dados do Ministério do Planejamento, os gastos das estatais com os planos de saúde passam de R$ 9 bilhões por ano para 500 mil funcionários de 147 empresas estatais. Conforme a Folha de S.Paulo informou, planos de saúde de estatais federais podem custar o triplo do privado. Na modalidade de autogestão, em que uma empresa sem fins lucrativos é contratada para gerir o plano de saúde, o gasto médio por funcionário é de R$ 10.163,62 ao ano.

Já no setor privado, as empresas pagam, também em média, R$ 3.858 pela assistência, de acordo com pesquisa feita pela consultoria Mercer Marsh Benefícios.
O impacto será sentido, principalmente, na Infraero e nos Correios, que são as estatais que mais financiam os seus planos de saúde, ao pagar, respectivamente, 93% e 95% da mensalidade das suas assistências.

Outra modificação é que a assistência não será mais estendida aos pais dos funcionários, como ocorre atualmente nos Correios. Valerá para os cônjuges ou companheiros de união estável, inclusive os do mesmo sexo, e para os filhos.

Veja também

Mesmo produto registra variação de 427% e Procon dá dicas para economizar na feira
Consumidor

Mesmo produto registra variação de 427% e Procon dá dicas para economizar na feira

Nubank reconhece erro e anuncia medida para elevar presença de negros na equipe
Diversidade Racial

Nubank reconhece erro e anuncia medida para elevar presença de negros na equipe