Para presidente do Bradesco, país tem 'condições' para queda de juros

Ele é um dos 96 integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão

Palácio do Campo das PrincesasPalácio do Campo das Princesas - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, disse nesta segunda-feira (21) ver "condições estruturais" no país para uma queda de juros. Ele é um dos 96 integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, que se reúne nesta segunda pela primeira vez desde que Michel Temer assumiu a Presidência da República.

"Tem condições estruturais de uma queda de juros. Está sinalizando para patamares bem confortáveis", afirmou em entrevista antes da reunião. Para o presidente do Bradesco, a política econômica do governo de Donald Trump nos Estados Unidos deve estreitar a "janela de ajustes" do Brasil."A política de juros baixos no Brasil ajuda o equilíbrio brasileiro. A perspectiva de uma mudança na política americana no governo Trump faz com que nossa janela (de ajuste) possa ficar mais estreita. A grande palavra de ordem é estabelecer senso de urgência em tudo o que for necessário", afirmou.

Trabuco também defendeu as reformas propostas pelo governo, como a da Previdência.
"Os dados de realidade, principalmente o nível de desemprego, o nível da desaceleração, acho que isso é uma consciência plena. Evidentemente que, aqueles que ainda duvidam disso, é só avaliar os dados da economia, a economia fraca", afirmou o presidente do Bradesco.

Trabuco disse que, nos últimos meses, os níveis de "esperança e confiança" no governo aumentaram, mas cobrou resultados. "Precisamos, agora, ter capacidade de entrega", afirmou.

"As variáveis sinalizam que o pior está ficando para trás. Agora, evidente que a gente vai enfrentar 2017 com grande desafio que é o desafio do crescimento. Encontrar os motores do crescimento acho que é o grande desafio que a sociedade tem, junto com o governo, para encontrar a retomada. Sem uma retomada através do investimento privado, a gente não vai ter um ciclo de geração de emprego", disse Luiz Carlos Trabuco.

MEDIDAS AMARGAS
Em discurso já durante a reunião, o publicitário Nizan Guanaes defendeu que o governo federal adote medidas "amargas" e "impopulares" para a recuperar o crescimento da economia nacional.

Segundo ele, é fundamental a flexibilização das regras trabalhistas, como a proposta da terceirização, e a elaboração de iniciativas que estimulem a competitividade nacional.
"Não temos mais condições de viver com essa carga fiscal", reclamou.

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia