Para presidente do Bradesco, país tem 'condições' para queda de juros

Ele é um dos 96 integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão

Palácio do Campo das PrincesasPalácio do Campo das Princesas - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, disse nesta segunda-feira (21) ver "condições estruturais" no país para uma queda de juros. Ele é um dos 96 integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, que se reúne nesta segunda pela primeira vez desde que Michel Temer assumiu a Presidência da República.

"Tem condições estruturais de uma queda de juros. Está sinalizando para patamares bem confortáveis", afirmou em entrevista antes da reunião. Para o presidente do Bradesco, a política econômica do governo de Donald Trump nos Estados Unidos deve estreitar a "janela de ajustes" do Brasil."A política de juros baixos no Brasil ajuda o equilíbrio brasileiro. A perspectiva de uma mudança na política americana no governo Trump faz com que nossa janela (de ajuste) possa ficar mais estreita. A grande palavra de ordem é estabelecer senso de urgência em tudo o que for necessário", afirmou.

Trabuco também defendeu as reformas propostas pelo governo, como a da Previdência.
"Os dados de realidade, principalmente o nível de desemprego, o nível da desaceleração, acho que isso é uma consciência plena. Evidentemente que, aqueles que ainda duvidam disso, é só avaliar os dados da economia, a economia fraca", afirmou o presidente do Bradesco.

Trabuco disse que, nos últimos meses, os níveis de "esperança e confiança" no governo aumentaram, mas cobrou resultados. "Precisamos, agora, ter capacidade de entrega", afirmou.

"As variáveis sinalizam que o pior está ficando para trás. Agora, evidente que a gente vai enfrentar 2017 com grande desafio que é o desafio do crescimento. Encontrar os motores do crescimento acho que é o grande desafio que a sociedade tem, junto com o governo, para encontrar a retomada. Sem uma retomada através do investimento privado, a gente não vai ter um ciclo de geração de emprego", disse Luiz Carlos Trabuco.

MEDIDAS AMARGAS
Em discurso já durante a reunião, o publicitário Nizan Guanaes defendeu que o governo federal adote medidas "amargas" e "impopulares" para a recuperar o crescimento da economia nacional.

Segundo ele, é fundamental a flexibilização das regras trabalhistas, como a proposta da terceirização, e a elaboração de iniciativas que estimulem a competitividade nacional.
"Não temos mais condições de viver com essa carga fiscal", reclamou.

Veja também

Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 33 milhões
Loteria

Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 33 milhões

Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz
Conta de luz

Consumidor poderá tirar dúvidas sobre valor cobrado na conta de luz