Negócios

Pará recebe fórum mundial de bioeconomia e atenua atraso do Brasil na área

Segundo estimativa do BNDES, a bioeconomia brasileira movimenta cerca de US$ 326 bilhões (R$ 1,77 trilhão) ao ano

Trabalho no campoTrabalho no campo - Foto: Veloso Junior/Ascom Emater

Belém recebe, a partir desta segunda-feira (18), o Fórum Mundial de Bioeconomia, que pela primeira vez acontece fora da sede, na Finlândia. Na ocasião, o governo do Pará vai publicar um decreto com uma estratégia de longo prazo para o setor.

Segundo estimativa do BNDES, a bioeconomia brasileira movimenta cerca de US$ 326 bilhões (R$ 1,77 trilhão) ao ano.

O Brasil é considerado um dos países mais diversos do mundo, com mais de 42 mil espécies vegetais, mas está atrasado na adoção de políticas públicas para garantir o desenvolvimento econômico com a floresta em pé. Além de países da União Europeia que já possuem uma estratégia, a China deverá anunciar um plano nacional.



"Espero que o debate evolua para o nível federal. Hoje, 60 países têm uma bioestratégia em curso, parte importante na União Europeia, também o Japão, em breve a China, mas há poucas iniciativas na América Latina", afirma o finlandês Jukka Kantola, fundador do fórum.

O plano de recuperação econômica pós-pandemia da UE, por exemplo, determina que os países-membros invistam em produtos e práticas bioeconômicas para poder acessar fundos de financiamento.

O primeiro dia do fórum terá a presença do vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho Nacional da Amazônia Legal. Em março, durante o Fórum de Davos, ele afirmou que o Ministério da Economia trabalhava em um novo projeto para a "Amazônia Verde", a fim de melhorar o ambiente de negócios na região.

Com desmatamento recorde da floresta durante o governo Bolsonaro, Mourão defendeu que o futuro sustentável da Amazônia depende da ampliação da bioeconomia, e que isso será realidade apenas com a participação do setor privado.

"Todo mundo compartilha a preocupação com o desmatamento da floresta. Há desmatamento e sérios problemas ambientais também na África, na Indonésia, em vários lugares", afirmou Kantola.

O evento foi trazido ao Brasil porque Belém é considerada a porta de entrada da Amazônia, região com a maior diversidade do mundo.

Há alguns anos, o Pará implementa iniciativas ligadas à bioeconomia, mas ainda há pouco entendimento sobre o que esse segmento representa. A expectativa dos organizadores é difundir o conceito e conseguir engajar diferentes setores da sociedade em torno do tema.

Em termos gerais, bioeconomia é o conjunto de atividades econômicas baseadas em recursos naturais renováveis, não fósseis. O conceito defende a exploração de florestas sem desmatamento e alia a produção de alimentos e mercadorias industriais e farmacêuticas à geração de valor e emprego nas comunidades locais.

São exemplos populares no Brasil o etanol, a fibra de celulose aplicada na cadeia têxtil, o bioplástico e o açaí, que gera retorno financeiro direto aos agricultores da Amazônia.

Para o inglês Mark Rushton, cofundador do fórum, o consumo está cada vez mais atrelado à sustentabilidade, o que coloca o setor privado como um dos principais agentes na bioeconomia.

"A geração mais jovem não acredita mais em políticos, na mídia, eles olham para marcas e indústrias e se questionam sobre a responsabilidade delas antes de consumir. As empresas brasileiras são bem representativas nesse aspecto, e é um dos motivos de termos escolhido o Brasil", disse.

Além de governo, bancos e de líderes globais como Christian Patermann, "pai da bioeconomia" e ex-diretor da Comissão Europeia, o fórum reunirá presidentes e executivos de companhias como Klabin, Natura, Suzano, Ford, Lego e Bayer.

Outros estados do Norte têm intensificado o debate sobre bioeconomia nos últimos anos. O Amazonas tem estratégias estaduais para alavancar o setor.

Um estudo do Instituto Escolhas, de 2019, evidencia o contrassenso que é estimular a economia para fora da região amazônica, como acontece com a Zona Franca de Manaus, enquanto o crescimento regional foi retardado em relação a outras áreas.

Saiba mais
- Bioeconomia é o conjunto de atividades econômicas baseadas em recursos naturais renováveis. O conceito defende a exploração de florestas sem desmatamento e alia a produção de alimentos e mercadorias industriais e farmacêuticas à geração de valor e emprego nas comunidades;

- A fabricação de alimentos e bebidas responde por 46% da participação das vendas provenientes da bioeconomia sem o setor primário;

- No mundo, as vendas derivadas da bioeconomia brasileira são da ordem de US$ 326 bilhões;

- No Brasil, os ganhos atribuídos ao setor são de cerca de US$ 286 bilhões;

- Na UE, a bioeconomia supera 2,1 trilhões de euros;

- Exemplos de produtos ligados à bioeconomia brasileira: fibra de celulose aplicada na cadeia têxtil,
bioplástico, indústria do açaí, fio de borracha natural para moda e design, chocolate produzido a partir do cacau selvagem e materiais biotecnológicos aplicados à construção civil.

Veja também

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídricaCrise Hídrica

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídrica

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e FedBolsa de valores

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e Fed