Paralisação de caminhoneiros afetou todos os setores da economia no Brasil

O volume do setor de serviços caiu 3,8% em maio ante abril, quando registrou alta mensal de 1,1%, a primeira no ano

Categoria pode parar depois do 7 de setembro por tempo indeterminadoCategoria pode parar depois do 7 de setembro por tempo indeterminado - Foto: Antônio Cruz/ABr

A paralisação dos caminhoneiros reverteu o viés positivo com o qual os serviços iniciaram o segundo semestre, em mais uma indicação de que o movimento que parou o país no fim de maio deve tornar a retomada da economia brasileira mais difícil.

O volume do setor caiu 3,8% em maio ante abril, quando registrou alta mensal de 1,1%, a primeira no ano. Foi o resultado negativo mais intenso da série histórica iniciada em janeiro de 2011, apontou o IBGE nesta sexta-feira (13).

Em relação a maio de 2017, o recuou também foi de 3,8%. No ano, o setor acumula queda de 1,3% e, em 12 meses, de 1,6%. O volume de todas as cinco atividades do segmento investigadas pelo IBGE caiu, com destaque para transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, que registrou retração de 9,5%.

Leia também:
Vendas no varejo brasileiro recuam 0,6% em maio, diz IBGE
Serviços caem 3,8% em maio com impacto de paralisação de caminhoneiros
AGU recomendará a Temer veto à anistia de multa de caminhoneiros

A atividade foi pressionada para baixo, sobretudo, pelo desempenho dos transportes terrestres, que despencou 15% e também atingiu a taxa negativa mais baixa da série. As informações são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), que fecha o ciclo de levantamentos que capturam o impacto dos protestos de caminhoneiros em importantes setores da economia durante o mês de maio.

As pesquisas revelam que nenhum segmento foi poupado, e o próprio governo vai reduzir a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,5% para 1,6% neste ano.

Indústria e varejo
Em maio, a indústria recuou a patamares de 2003. A produção industrial teve queda de 10,9% ante abril. O resultado foi o pior desde dezembro de 2008, durante a crise internacional, quando o arrefecimento da atividade econômica mundial fez a produção recuar 11,2%.

Dos 14 estados pesquisados pelo IBGE, 13 registraram queda na produção industrial no período. Os mais afetados foram Mato Grosso (-24,2%), Paraná (-18,4%), Bahia (15%) e Santa Catarina (-15%). A exceção foi o Pará (+9,2%).

O protesto de caminhoneiros também interrompeu 18 meses de alta na produção de veículos. Com a suspensão temporária das atividades de todas as montadoras no país, a produção do setor automotivo caiu mais de 15% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano passado.

As vendas no varejo registraram em maio o primeiro resultado mensal negativo do ano. O volume de vendas caiu 0,6% na comparação com abril, resultado mais fraco desde a queda de 0,8% em 2016. Maio costuma ser um mês bom para o varejo, devido à comemoração do Dia das Mães, mas seis das oito atividades pesquisadas pelo IBGE caíram.

Inflação
O movimento dos caminhoneiros começou em 21 de maio e durou 11 dias. Bloqueios em estradas do país levaram ao desabastecimento de alimentos e combustíveis, o que pressionou os preços no período.

Em maio, o IPCA, índice oficial de inflação no país, dobrou para 0,4%. Como os dados do indicador são coletados até o dia 29 de cada mês e a paralisação se estendeu até o início de junho, o impacto do movimento foi sentido também no índice do mês seguinte.

Além disso, após o fim da paralisação, houve uma corrida dos consumidores aos mercados, o que postergou a volta à normalidade no abastecimento. Assim, junho registrou a maior inflação em 23 anos. O IPCA teve alta de 1,26%, a maior para o mês desde 1995. Considerando todos os meses, foi o maior índice desde janeiro de 2016.

Investimentos
Em junho, os seis indicadores de confiança da Fundação Getulio Vargas (FGV) caíram, ajudando a compor o cenário de estragos causados pela paralisação dos caminhoneiros.

Os indicadores captam o ânimo de indústria, comércio, serviços e construção civil, além de empresários e consumidores. A escala vai de zero (desconfiança total) a 200 pontos, sendo 100 pontos o nível neutro. Historicamente, a escala oscila entre 60 e 140. Hoje, todos os índices estão abaixo de 100 pontos, o que indica pessimismo. A exceção é a confiança da indústria, que caiu, mas ainda está nos 100.

Embora o recuo tenha sido mais forte em junho, o mais grave é que a piora da confiança antecede a paralisação. E, sem confiança, os investimentos não vingam. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) recuou 11,3% em maio ante abril. Só o consumo de máquinas e equipamentos apresentou queda de 14,6%.

Veja também

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego
Economia

Governo estuda desoneração linear para gerar emprego

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil
Montadoras

Fechamento de fábricas da Ford põe em dúvida futuro do setor no Brasil