A-A+

Pedágio do Paiva mais caro a partir do dia 14 de junho

Tarifas da Rota do Coqueiro passam a vigorar com reajuste médio de 5,24%.

Rota dos CoqueirosRota dos Coqueiros - Foto: Divulgação

 

A partir do próximo dia 14, as tarifas de pedágio da Rota dos Coqueiros, via pedagiada que liga o município de Jaboatão dos Guararapes às praias do Litoral Sul pernambucano, sofrerão reajuste médio de 5,24%.

Sendo assim, a tarifa básica, cobrada de automóveis de passeio, passará de R$ 5,90 para R$ 6,20 nos dias de semana, e de R$ 8,80 para R$ 9,30 nos finais de semana e feriados. A mudança dos valores foi autorizada pela Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe) e está prevista no Contrato de Concessão Patrocinada da Parceria Público-Privada (PPP) que deu origem ao empreendimento.

De acordo com a Arpe, para compor o percentual de reajuste deste ano foi levado em consideração além do IPCA acumulado desde início da concessão, há 13 anos, o fator de reequilíbrio e arredondamento, conforme prevê o contrato. “A receita que vai para essa concessão, que inclui a ponte, vem de duas fontes. Uma da tarifa para pelo usuário e outra do Estado. Então, existe um mecanismo no contrato que permite em reequilibrar quando há prejuízo”, explica o presidente em exercício da agência reguladora, Fred Maranhão. Segundo ele, o valor desse reequilíbrio foi de 0,35%.
  
Leia também:
Rota dos Coqueiros com operação especial para o domingo de Páscoa
Rota dos Coqueiros comemora Dia da Gentileza
Pedágio da Rota dos Coqueiros sobe nesta quarta-feira

Segundo a Rota do Coqueiro, esta foi a primeira vez em que o recurso foi utilizado. “Tivemos no ano passado nosso pior ano com a greve dos caminhoneiros, que impactou no tráfego da rota, afinal, ninguém conseguia sair de casa. Com isso, tivemos uma redução de 4 mil veículos diários para 3.800 durante o período da paralisação”, esclarece o presidente da concessionária, Elias Lage.
  
Ele lembra, no entanto, que além de cobrir as perdas do ano passado, o reajuste no valor da tarifa do pedágio é essencial para os investimentos contínuos que são realizados na rota. “A gente sempre converte esses aumentos em benefícios para quem utiliza nossa via. Não à toa, desde o início do contrato, já investimos mais de R$200 milhões em obras de melhoria e conservação da rodovia”, revela Lage.

 

Veja também

Com faturamento de R$ 41 bi, mercado pet já vende mais que linha branca
Economia

Com faturamento de R$ 41 bi, mercado pet já vende mais que linha branca

Agenda social ainda é pilar frágil no agro mesmo com avanços
Agronegócio

Agenda social ainda é pilar frágil no agro mesmo com avanços