Peritos da Previdência Social não deverão retomar exames do pente-fino do INSS

Para voltar a participar do mutirão de revisões, a categoria quer a aprovação do pagamento do bônus de R$ 60 por perícia realizada no pente-fino e do aumento de 27,9% acordado com o governo em fevereiro

Eduardo Marques, vereadorEduardo Marques, vereador - Foto: Leo Motta/Folha de Pernambuco

 

Os peritos da Previdência Social não deverão retomar os exames do pente-fino do INSS nos benefícios por incapacidade após 25 de novembro, como prevê o governo. Para voltar a participar do mutirão de revisões, a categoria quer a aprovação do pagamento do bônus de R$ 60 por perícia realizada no pente-fino e do aumento de 27,9% acordado com o governo em fevereiro.

O boicote dos peritos à revi­­­são ganhou força na quarta (9), após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter declarado que a Casa não vai aprovar reajustes salariais para nenhuma categoria além dos que já estão previstos.

O aumento para os peritos, que seria pago em quatro parcelas anuais - a primeira venceria em agosto -, nem sequer foi enviado pelo governo à Câmara. O reajuste dos médicos faz parte do acordo que resultou no encerramento de uma greve com duração de 165 dias e que causou atrasos em 1,3 milhão de perícias.

A assessoria de Rodrigo Maia informou que o deputado não pretende barrar o aumento aos peritos, mas considera que a crise econômica não permite novos reajustes ao funcionalismo.

Bônus
Um dia depois de não conseguir aprovar, na Câmara, a “urgência regimental” do projeto de lei que garante o bônus dos peritos - e viabiliza o pente -fino-, o governo rei­­­niciou as negociações para votá-lo na semana que vem. A estratégia adotada foi retirar a “urgência constitucional” do projeto, eliminando o prazo de cinco sessões para a apresentação de emendas.

 

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia