Pernambuco ganha rede de supermercados

Rede Pernambuco de Supermercados é formada por 168 lojas e visa concorrer com grandes redes de atacarejo. O grupo espera ter um faturamento médio anual de R$ 1,8 bilhão, contando com 76 mil m² de área de vendas, 7,5 mil colaboradores

Rede irá competir com grandes empresas que atuam no Estado Rede irá competir com grandes empresas que atuam no Estado  - Foto: Paullo Alemida / Folha de Pernambuco

Com a proposta de criar condições para concorrer de igual para igual com as grandes redes de atacarejo presentes no Estado, foi lançada ontem a Rede Pernambuco de Supermercados. Formada por 168 lojas, presentes em 42 municípios pernambucanos, o novo formato de negócio tem uma previsão de faturamento médio anual em torno de R$1,8 bilhão.

Segundo o presidente da Rede Pernambuco de Supermercados, Flávio Borba, a ideia é simples - comprar em conjunto, gerando volume, para conseguir os melhores preços, beneficiando, assim, o cliente final. “Estávamos sendo engolidos pelas grandes empresas do setor que atuam simultaneamente no atacado e no varejo. A criação da rede de Pernambuco vai nos permitir além de entregar preços mais vantajosos para o cliente, a possibilidade de ter um sistema único e mais robusto nas lojas associadas, assim como um treinamento unificado e qualidade para os funcionários”, revela o empresário, que responde pelo supermercado Goianense, em Goiana.

Leia também:
Com autoatendimento, novo supermercado é inaugurado na Zona Sul do Recife
Vendas dos supermercados cresceram 2,07% em 2018


De acordo com ele, a garantia do sucesso da rede vem da solidez de mercado das lojas associadas, uma vez que apenas as com mais de 20 anos de mercado integram a rede pernambucana. No total, a Rede Pernambuco abriga um total de 76 mil m² de área de vendas, 7,5 mil colaboradores e 850 checkouts. " 80% dos associados estão presentes na capital pernambucana e o restante, em uma área de abrangência de um raio de até 150 km do Recife", revela Borba.

No primeiro momento de implementação, a rede vai funcionar como uma central de negócios responsável pelas compras, com a logística de entrega das mercadorias realizadas ainda de forma individual. A meta, no entanto, é criar até meados de 2020 um único centro de distribuição.

A chegada de uma rede desse porte não é benéfica apenas para os participantes e clientes, mas também para quem fornece os produtos para abastecer o estoque das lojas conveniadas. “Nossa expectativa é de crescer o nosso faturamento em torno de 50%”, revela a administradora da JR Distribuição, que fornece o insumo para produção dos artigos de panificação dos supermercados.

Veja também

TJPE libera realização de provas de Concurso Público em Gravatá
Justiça

TJPE libera realização de provas de Concurso Público em Gravatá

Carrefour anuncia que vai deixar de usar seguranças terceirizados
Serviço nas lojas

Carrefour anuncia que vai deixar de usar seguranças terceirizados