Destino

Pernambuco ocupa segundo lugar nacional em índice das atividades turísticas, aponta IBGE

Recorte é do acumlado de 2021, até o mês de novembro. Estado tem média superior à nacional

Cachoeira Peri-Peri, em São Benedito do SulCachoeira Peri-Peri, em São Benedito do Sul - Foto: Divulgação/Secretaria de Turismo de Pernambuco

Pernambuco aparece como vice-líder no ranking dos estados que mais cresceram no volume de atividades turísticas em novembro de 2021, de acordo com Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No mês, o índice absoluto foi de 108,8, total superior à média nacional de 81,9. O primeiro lugar é do estado de Goiás, com 119,0. 

No acumulado de janeiro a novembro de 2021, entre os estados do Nordeste, Pernambuco é o líder, com índice de 95,2. A Bahia aparece em segundo, com 84,2, e o Ceará, fecha o ranking dos três maiores com 72,1. 

No ranking geral nacional, também de janeiro a novembro de 2021, Pernambuco ocupa a segunda colocação, com 95,2 pontos.

“Pernambuco tem aparecido como um dos estados de maior destaque no volume das atividades turísticas do País, especialmente nesta fase de retomada do segmento. Nossa missão é dar continuidade a bons projetos e fortalecer cada vez mais o turismo em todo o Estado”, salienta o secretário estadual de Turismo e Lazer, Rodrigo Novaes.

Estudo
O estudo do IBGE apontou ainda crescimento discreto no Índice de Receita Nominal com ajuste sazonal, com Pernambuco obtendo crescimento de 1,5%, de outubro a novembro de 2021. 

No acumulado de janeiro a novembro, o Estado ocupa a quarta posição, com 104,5, atrás de Goiás (120,3), Bahia (109,4) e Santa Catarina (106,3).

Em termos comparativos, Pernambuco cresceu 9,5% em relação ao mesmo período de 2019, janeiro a novembro - época de ascensão da atividade turística e antes da pandemia de Covid-19 -, quando apresentou média de 122,4.

Veja também

GPA pede registro de oferta de ações que pode somar R$ 1 bilhão
Mercado

GPA pede registro de oferta de ações que pode somar R$ 1 bilhão

Plano prevê reduzir em 10% diferença salarial entre homens e mulheres
Diferença salarial

Plano prevê reduzir em 10% diferença salarial entre homens e mulheres