Economia

Pernambuco perdeu 111 vagas em julho

Pernambuco fechou o mês de julho demitindo mais do que admitindo, de acordo com dados do Caged para o mês. Resultado negativo chega após um mês da leve retomada na criação de postos de trabalho com carteira assinada, em junho.

Carteira de trabalhoCarteira de trabalho - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Pernambuco encerrou o mês de julho com resultado negativo na criação de trabalho formal. De acordo com dados do Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged), divulgado ontem pelo Ministério do Trabalho, as 28.612 admissões contra 28.723 demissões deixaram um saldo de 111 postos fechados no Estado. A queda reverte o resultado positivo de junho, quando houve criação de 121 vagas com carteira assinada.

No quadro nacional, ao contrário, o saldo de emprego teve o melhor desempenho para o mês de julho dos últimos seis anos, com a geração de 47.319 postos, a diferença entre 1.219.187 admissões contra 1.171.868 demissões. Com isso, o trabalho formal no Brasil conseguiu se recuperar da baixa do mês anterior, quando fechou 661 postos de trabalho com carteira assinada. Números de julho conseguiram reverter a curva de queda no País.

Segundo o professor e mestre em economia Tiago Monteiro, Pernambuco é um Estado que vai demorar um pouco mais para assimilar a ainda frágil recuperação econômica, principalmente no que tange o desemprego. “Construção civil, indústria e serviços de uma forma em geral são os protagonistas na captação de mão de obra, mas ainda apresentam quadros tímidos e receosos, o que colabora para essa oscilação, que deve perdurar até meados do segundo semestre do ano que vem, quando teremos uma noção das ações econômicas e um posicionamento mais fidedigno da nova equipe econômica que vai assumir o País após a eleição”, avalia Monteiro.

Leia também:
Brasil abre 47,3 mil postos formais de trabalho em julho


Para o economista Thobias Silva, a grande característica da atual crise é o legado do desemprego elevado, o que se confere nas pesquisas oficiais, em especial no Nordeste. “A retomada do emprego depende do crescimento da economia com a retomada da confiança, o que hoje está mais complicado. Por esse motivo, muitas empresas estão esperando o fim das eleições para definir seus planos de médio prazo”, acredita o economista.

Além de Pernambuco, os estados que registraram mais demissões que admissões foram o Rio Grande do Sul, com 2.657 vagas fechadas, e o Rio de Janeiro, com 1.001 postos a menos. Na outra ponta, as unidades federativas com maior saldo de vagas, são Minas Gerais, que abriu 10,3 mil postos, e Pará, com 3,5 mil vagas de carteira assinada.

Terceirização
Com dois votos a favor da terceirização de atividades-fim, o Supremo Tribunal Federal (STF) retoma esta quinta-feira o julgamento dos processos que tratam da legalidade da prática. Os ministros Luís Roberto Barroso e Luiz Fux aprovaram os contratos terceirizados também para a atividade-fim das empresas, como estabeleceu a reforma trabalhista.

Veja também

Ministro afirma que bioeconomia deve ser prioridade no país
Bioeconomia

Ministro afirma que bioeconomia deve ser prioridade no país

Privatização da Eletrobras pode ocorrer até meados de agosto
Eletrobras

Privatização da Eletrobras pode ocorrer até meados de agosto