Economia

Peso da greve dos caminhoneiros foi grande na inflação, segundo Fipe

A pesquisa da Fipe é quadrissemanal. Ou seja, apura taxas acumuladas de quatro em quatro semanas, em relação a igual período do mês anterior. Conforme entra uma semana nova, sai a primeira da lista."A inflação sempre tem um grande vilão

Paralisação dos caminhoneiros em SuapeParalisação dos caminhoneiros em Suape - Foto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

A paralisação dos caminhoneiros gerou um estrago na inflação. Interrompeu a queda da taxa dos últimos meses, acelerou a de maio e ainda jogou nova carga inflacionária para este mês de junho. A Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), que coleta preços no município de São Paulo, apurou uma evolução de 0,19% na inflação de maio, contra deflação em abril.

Para este mês, as previsões foram refeitas e a instituição estima uma inflação de 0,57%. A maior pressão no índice vai ocorrer no final do mês, quando completará um mês da greve.

A pesquisa da Fipe é quadrissemanal. Ou seja, apura taxas acumuladas de quatro em quatro semanas, em relação a igual período do mês anterior. Conforme entra uma semana nova, sai a primeira da lista."A inflação sempre tem um grande vilão. Desta vez, porém, foram dois: gasolina e batata", diz Guilherme Moreira, coordenador do IPC da Fipe.

Leia também:
O alvo da Petrobras deve ser os brasileiros
Petrobras aceita discutir revisão do reajuste diário da gasolina

Os consumidores já pagaram caro por vários itens, principalmente pelos produtos "in natura", mas a pressão continuará neste mês no setor de semielaborados, diz ele.
Moacir Yabiku, gerente de pesquisa do IPC da Fipe, destaca o estrago da batata e da gasolina no índice. Na última semana do mês passado, período da greve, a batata teve alta de 74% em São Paulo, em relação à última semana de abril. No mesmo período, a gasolina subiu 9%.

Essa comparação de preços é chamada pela Fipe de ponta a ponta. Compara os preços de uma semana isolada, em relação a outra de igual período anterior. Os números médios de maio, incluindo a comparação de todas as semanas em relação às de abril, indicaram o quanto a batata ganhou preço e pesou no bolso do consumidor: a alta foi de 19%. Nos últimos 12 meses, o produto tinha registrado queda de 2%.

Já a gasolina, que subiu 3,7% em maio, vinha de evolução de 22,3% nos últimos 12 meses. De janeiro a maio, o reajuste nos preços desse combustível nas bombas foi de 6,4%, conforme a pesquisa mensal da Fipe.

A inflação de maio foi praticamente provocada pela gasolina e pela batata, segundo Moreira. A primeira foi responsável por 46% do IPC, enquanto a batata teve responsabilidade por 25% do índice. Outros itens que pesaram no índice no mês passado foram limão, leite e viagens.Para este mês, os consumidores podem esperar uma reversão dos preços das proteínas.

O principal aumento será no frango. As barreiras colocadas pela União Europeia no produto brasileiro tinham provocado um aumento na oferta dessa carne no mercado interno e derrubado os preços. Sendo o setor mais afetado pela greve dos caminhoneiros, devido à interrupção na oferta de insumos para alimentar as aves e à alta mortandade de animais, a avicultura necessitará de várias semanas para voltar ao patamar normal de oferta de carnes.

Moreira diz que é difícil medir os efeitos inflacionários da greve em cada um dos setores da economia. O grande problema, porém, não é a inflação, mas a parada da economia gerada pelo movimento. A inflação deverá fechar o ano próximo de 3,15%, mas o ritmo da atividade econômica vem caindo, como mostram as previsões do Focus, boletim semanal do Banco Central.

Veja também

Secretária de Energia dos EUA descarta importação de petróleo venezuelano
Economia

Secretária de Energia dos EUA descarta importação de petróleo venezuelano

Bolsonaro se reunirá con Elon Musk em São Paulo
Encontro

Bolsonaro se reunirá con Elon Musk em São Paulo