A-A+

Pessoas destroem o meio ambiente porque precisam comer, diz Guedes em Davos

A fala do ministro ocorreu durante um painel do Fórum Econômico Mundial que tratava sobre o futuro da indústria e do trabalho

Paulo GuedesPaulo Guedes - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (21) que as pessoas são obrigadas a degradar o meio ambiente quanto estão na pobreza. A fala do ministro ocorreu durante um painel do Fórum Econômico Mundial que tratava sobre o futuro da indústria e do trabalho.

"As pessoas destroem o meio ambiente porque precisam comer", disse. O ministro também falou que a produção de alimentos ainda depende de agrotóxicos. "Você não tem um meio ambiente limpo porque as soluções não são simples. São complexas."

Leia também:
Guedes conversa com ministros suíços e CEOs de empresas em Davos
EUA voltaram a vencer, diz Trump em mensagem que mirou público doméstico em Davos
Recebida como estrela, Greta exorta líderes globais a 'ouvirem a ciência'

Como o painel tinha como foco a discussão sobre manufatura não houve espaço para aprofundar o tema. Guedes não falou sobre o trabalho do agronegócio brasileiro para elevar a produtividade e não ocupar áreas de matas, uma grande preocupação de ambientalistas em relação ao Brasil.

Além disso, a temática ambiental é central no fórum de Davos neste ano. Diversas das sessões do fórum são dedicadas a negócios mais verdes e à participação das empresas para que se cumpra o que está no Acordo de Paris sobre o Clima -a manutenção do aquecimento do planeta em no máximo 1,5°C neste século.

A jovem ativista Greta Thunberg é o símbolo do evento neste ano, que marca 50 anos do evento nos Alpes Suíços.

Veja também

Montanha-russa de emoções: O que a pane das redes diz sobre a saúde mental?
Tecnologia e Games

Montanha-russa de emoções: O que a pane das redes diz sobre a saúde mental?

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou
Flexibilização

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou