A-A+

Petrobras aprova termos finais de acordo com Grupo Sete Brasil

O acordo aprovado preserva, entre os termos, a manutenção dos contratos de afretamento e de operação referentes a quatro sondas, com vigência de 10 anos e taxa diária de US$ 299 mil

Petrobras Petrobras  - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Petrobras informou nesta sexta-feira (20) que o a diretoria executiva e o conselho de administração da estatal aprovaram os termos finais do acordo com a Sete Brasil que havia sido anunciado em março de 2018.

Segundo a empresa, o acordo aprovado preserva os termos anteriormente divulgados: manutenção dos contratos de afretamento e de operação referentes a quatro sondas, com vigência de 10 anos e taxa diária de US$ 299 mil; encerramento dos contratos celebrados em relação às demais 24 sondas; saída da Petrobras e de suas controladas do quadro societário das empresas do Grupo Sete Brasil e do FIP Sondas, assim como o consequente distrato de contratos não compatíveis com os termos do acordo.

Leia também:
Outras empresas ocuparão espaço da Petrobras no NE, diz ministro
Plano de desinvestimentos prevê Petrobras concentrada no Sudeste
BNDES prepara oferta pública de ações da Petrobras

“Caberá à Magni Partners, vencedora do leilão no âmbito da Recuperação Judicial da Sete Brasil, em associação com a Etesco, o afretamento e a operação das quatro sondas remanescentes, ainda em fase de construção”, diz a nota da companhia.

A Petrobras informa que a assinatura dos contratos que vão formalizar o acordo dependerá do atendimento das regras de governança da Sete Brasil e das demais empresas envolvidas. Segundo a estatal, a eficácia do acordo e dos demais contratos, por sua vez, dependerá do atendimento de condições que deverão ocorrer até 30 de junho do ano que vem.

Veja também

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou
Flexibilização

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou

Bitcoin deve continuar ganhando força como proteção contra a inflação
Economia

Bitcoin deve continuar ganhando força como proteção contra a inflação