NEGÓCIOS

Petrobras e estatal boliviana planejam investir US$ 2,5 bi em fábrica de fertilizantes na Bolívia

Brasil responde por 80% das vendas de fertilizantes do país vizinho

PetrobrasPetrobras - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A estatal boliviana YPFB informou, em comunicado enviado ao mercado financeiro, que está discutindo com a Petrobras um investimento de US$ 2,5 bilhões para construir uma fábrica de fertilizantes em Puerto Quijarro, cidade da Bolívia que fica próxima à fronteira com o Mato Grosso do Sul.

A fábrica iria fazer o processamento de amônia e ureia. O Brasil consome 80% da produção atual de fertilizantes da Bolívia, e a unidade em Puerto Quijarro terá capacidade para produzir 4.200 toneladas por dia, conforme a YPFB.

Na semana passada, uma delegação da Petrobras visitou o país. Procurada pela agência Bloomberg, a estatal brasileira não respondeu sobre esse projeto na Bolívia.

Durante a viagem da semana passada, executivos da Petrobras tiveram reuniões no Ministério de Hidrocarbonetos e Energias da Bolívia para discutir o fornecimento de gás natural, energia renovável, fertilizantes, lítio e investimentos em exploração e produção de petróleo e gás no país, disse o CEO Jean Paul Prates em uma postagem em rede social.

A Petrobras demonstrou interesse em retomar investimentos nos países vizinhos, Venezuela e Bolívia, o que Prates disse fazer "sentido geopolítico" devido ao vasto potencial de petróleo e gás nesses países.

O alívio das sanções à Venezuela "inspira seriamente" a Petrobras a pensar em investir na nação rica em petróleo, que precisará de fundos para reconstruir sua indústria deteriorada, disse Prates em uma entrevista nesta semana.

Veja também

Três apostas de Pernambuco acertam quina da Mega-Sena nesta quinta-feira (22)
Loterias

Três apostas de Pernambuco acertam quina da Mega-Sena nesta quinta-feira (22)

Caixa Seguridade tem lucro líquido recorrente de R$ 922,4 Mi no 4º trimestre, alta de 22,5%
holding

Caixa Seguridade tem lucro líquido recorrente de R$ 922,4 Mi no 4º trimestre, alta de 22,5%