Petrobras extingue contrato com térmica da J&F por corrupção

O relacionamento das duas companhias já enfrentava problemas desde que a J&F decidiu apelar ao Cade

A previsão é de leilão de oito blocos de exploração de petróleo e gás naturalA previsão é de leilão de oito blocos de exploração de petróleo e gás natural - Foto: Divulgação

A Petrobras decidiu usar uma cláusula anticorrupção para extinguir contrato de fornecimento de gás para térmica do grupo J&F, controlador da JBS, em Cuiabá. A estatal informou que vai cobrar da empresa multa de R$ 70 milhões.

O relacionamento das duas companhias já enfrentava problemas desde que a J&F decidiu apelar ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para forçar a Petrobras a vender gás a preços bolivianos para a usina, chamada Termelétrica Mário Covas.

Em sua delação premiada, o empresário Joesley Batista disse que ofereceu propina ao presidente Michel Temer para ajudar a resolver a discussão de forma favorável à sua empresa.

Em nota divulgada nesta quinta (8), a Petrobras diz que o contrato de fornecimento de gás à Âmbar, subsidiária da J&F que opera a térmica, tem uma cláusula na qual a cliente declara que não pagou ou ofereceu vantagens indevidas a autoridades públicas. "Entretanto, a Petrobras tomou conhecimento das gravações de delações premiadas de executivos da J&F, de que cometeram atos que violam a legislação anticorrupção vigente", alegou a estatal.

O contrato foi assinado no último dia 13 de abril e valeria até 31 de dezembro. A Petrobras diz que exercerá a prerrogativa contratual de cobrar multa que pode chegar a R$ 70 milhões, considerando o saldo remanescente do contrato.

A discussão sobre o preço do gás para a Termelétrica Mário Covas teve início em 2015, quando a J&F adquiriu a EPE (Empresa de Produção de Energia), que era a dona da térmica e foi rebatizada Âmbar.

A companhia recorreu ao Cade acusando a Petrobras de prática anticoncorrencial ao se recusar a vender o combustível a preços bolivianos -a usina fica próxima à fronteira com a Bolívia e é abastecida com gás do país vizinho, mas vendido pela Petrobras.

Na nota, a estatal defende que não cedeu às pressões da J&F e assinou o contrato com o preços "baseados em critérios de mercado" -de US$ 6,07 por milhão de BTU (medida de poder calorífico), enquanto o gás boliviano é vendido a US$ 4,29 por milhão de BTU.

A delação de Batista resultou em um acordo de leniência da J&F, no qual a companhia se comprometeu a pagar multa de R$ 10,3 bilhões e garantiu o direito de continuar sendo contratada pelo poder público.

Veja também

TNT e SoulCode Academy oferecem cursos gratuitos de programação
Tecnologia e Games

TNT e SoulCode Academy oferecem cursos gratuitos de programação

Presidente da Caixa diz que banco terá foco total na venda de fatias de subsidiárias
Economia

Presidente da Caixa diz que banco terá foco total na venda de fatias de subsidiárias