Economia

Petrobras negocia refinaria de Pasadena com americana Chevron

Refinaria foi comprada pela Petrobras em 2006, com o argumento de que a empresa precisava de um ponto de entrada no mercado norte-americano

O litro do combustível passará a ser comercializado a R$ 1,8466 O litro do combustível passará a ser comercializado a R$ 1,8466  - Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

A Petrobras abriu negociações com a americana Chevron para a venda da polêmica refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Localizada no Texas, a unidade é alvo de investigações da Operação Lava Jato e foi adquirida pela estatal em uma operação que rendeu prejuízo bilionário.

As conversas com a Chevron foram antecipadas pela Reuters e confirmadas pela Folha de S.Paulo. O processo de venda do ativo, que inclui a refinaria e um terreno anexo, foi aberto ao mercado em fevereiro, com o lançamento de um prospecto com informações sobre as unidades.

Em maio, a Petrobras iniciou a segunda fase do processo, na qual interessados ganham acesso à avaliação financeira para formular propostas. Procurada, a estatal não quis comentar as negociações, dizendo que eventuais notícias sobre venda de ativos serão divulgadas ao mercado por meio de fato relevante.

A empresa corre contra o tempo para concluir seu plano de desinvestimentos, que tem como meta arrecadar US$ 21 bilhões no biênio 2017/2018 mas tem processos relevantes emperrados por questões judiciais.

Leia também:
Preço da gasolina nas refinarias é o menor em quase dois meses
Preço da gasolina cai 2% nas refinarias a partir de sábado


Liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski levou a companhia a suspender as negociações da Malha de dutos do Norte e Nordeste, e de dois blocos de refino, que incluem refinarias, dutos e terminais.

Lewandowski determinou que vendas de participações majoritárias em subsidiárias de estatais passem por avaliação do Congresso. A venda dos gasodutos, negociada com a francesa Engie, já estava em estágio avançado.

A refinaria de Pasadena foi comprada pela Petrobras em 2006, com o argumento de que a empresa precisava de um ponto de entrada no mercado norte-americano de combustíveis.

A Petrobras pagou US$ 360 milhões por metade da empresa, quase oito vezes mais do que os US$ 42 milhões que a sócia havia desembolsado um ano antes para ter 100% do capital. Após disputa judicial com a Astra, a estatal acabou desembolsando US$ 1,2 bilhão para ficar com todas as ações.

A unidade está localizada às margens do Canal de Houston, área que concentra grande número de indústrias petroquímicas, e recentemente recebeu multas por emissões de poluentes em níveis acima dos permitidos pela lei americana. A Folha de S.Paulo não conseguiu contato com a Chevron. À Reuters, a empresa disse que não comentaria o assunto.

Veja também

Bolsonaro diz que 'tem mais coisa para acontecer' na Petrobras para 'buscar alternativas'
Petrobras

Bolsonaro diz que 'tem mais coisa para acontecer' na Petrobras para 'buscar alternativas'

Instagram passa por instabilidade nesta segunda-feira (16); aba "explorar" apresenta mudanças
REDES SOCIAIS

Instagram passa por instabilidade nesta segunda-feira (16); aba "explorar" apresenta mudanças