Petrobras pode ficar em nova empresa com Braskem e LyondellBasell

A LyondellBasell assinou acordo de exclusividade para negociar a compra das ações da Odebrecht na Braskem, que correspondem a 38,3% do capital da petroquímica

Petrobras Petrobras  - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A perspectiva de compra do controle da Braskem pela holandesa LyondellBasell pode levar a Petrobras a desistir de se desfazer de sua fatia na petroquímica, conforme previa o plano de investimento da estatal.

A LyondellBasell assinou acordo de exclusividade para negociar a compra das ações da Odebrecht na Braskem, que correspondem a 38,3% do capital da petroquímica. Dona de 36,1%, a Petrobras tem direito de receber o mesmo valor pela sua fatia, caso o negócio seja fechado.

O presidente da estatal, Ivan Monteiro, disse à Folha de S.Paulo, porém, que a estratégia de venda de sua participação pode ser reavaliada em caso de transferência do controle. "Podemos ter a chance de nos tornarmos sócios de uma empresa com presença global", afirmou. Com sede em Roterdã, a LyondellBasell tem operações em 17 países.

Leia também:
Petrobras e francesa Total assinam parceria para investir em eólica e solar
Petrobras sobe gasolina para maior valor desde o fim de maio
Petrobras anuncia suspensão de processos de parceria em refino


A companhia é fruto da fusão, em 2007, entre a Lyondell Chemical Company e a Basell, operação que criou a terceira maior petroquímica independente do mundo. Em 2017, a companhia teve receita de US$ 34,5 bilhões (R$ 114 bilhões ao câmbio do dia 31 de dezembro), com vendas em mais de 100 países.

"Para a diretoria executiva [da Petrobras], vai ser um momento de reflexão sobre a forma de se posicionar no mercado global", disse Monteiro. Ele frisou, porém, que ainda não há qualquer decisão sobre o tema. "Temos que ver quais as condições que o grupo Odebrecht vai negociar."

Em junho, LyondellBasell e Braskem disseram em comunicado que a potencial combinação de suas atividades pode criar valor significativo para acionistas, clientes e empregados. O texto ressalta, porém, que o negócio depende de acordos, diligências e aprovações corporativas.

A fatia na Braskem é vista pelo mercado como um dos ativos mais valiosos do plano de desinvestimentos da Petrobras, que prevê levantar US$ 21 bilhões (R$ 81 bilhões, na cotação atual) no biênio 2017-2018. Considerando o preço atual das ações, a fatia da Petrobras tem valor de mercado de R$ 14,7 bilhões.

O plano de venda de ativos da Petrobras enfrenta obstáculos jurídicos, como a liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandovski que condicionou privatizações à aprovação do Congresso e levou a estatal a suspender negociações com a francesa Engie para a venda da TAG, que opera os gasodutos do Norte e Nordeste, e o processo de venda de participações em refinarias.

Monteiro diz, que a meta para o fim do ano está mantida. Segundo ele, a alta do preço do petróleo pode melhorar o valor de participações minoritárias que a Petrobras ainda está habilitada a negociar, já que a liminar de Lewandovski atinge apenas operações de transferência de controle.

Veja também

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo
Consumo

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo

Burocracia freia os negócios
Burocracia

Burocracia freia os negócios