Petrobras sobe preço da gasolina pela primeira vez após pandemia

Após o reajuste, o litro da gasolina será vendido pelas refinarias da estatal, em média, a R$ 1,02, voltando ao patamar acima de R$ 1

Posto de combustívelPosto de combustível - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Após uma sequência de cortes, a Petrobras aumentará em 12% o preço da gasolina em duas refinarias a partir desta quinta (7). É o primeiro reajuste positivo desde o início da pandemia do novo coronavírus, que derrubou as vendas de combustíveis e as cotações do petróleo no mundo.

Após o reajuste, o litro da gasolina será vendido pelas refinarias da estatal, em média, a R$ 1,02, voltando ao patamar acima de R$ 1 pela primeira vez em mais de três semanas. Com 11 cortes antes do reajuste desta quinta, o preço do produto ainda acumula queda de 50% no ano.

O repasse do reajuste ao consumidor depende de políticas comerciais de postos e distribuidoras. Segundo a Petrobras, o valor de venda da gasolina em suas refinarias equivale a 18% do preço final do produto -o restante é composto por impostos e margens de distribuidores e revendedores.

Leia também:
Caixa diz que conseguiu reduzir filas nas agências
Prefeitura de Camaragibe coloca cadeiras na fila da Caixa


O preço do diesel ficará inalterado. Acompanhando a queda das cotações internacionais do petróleo após o início da pandemia, a Petrobras já reduziu em 38% o valor de venda do combustível em suas refinarias em 2020.

O anúncio de aumento do preço da gasolina ocorre após leve recuperação da cotação internacional do petróleo Brent, referência mundial de preços negociada em Londres, que chegou nesta semana a bater a casa dos US$ 30 (R$ 170) por barril pela primeira vez depois de um mês.

No mercado americano, que vem sendo fortemente afetado pelo excesso global de petróleo, a gasolina também interrompeu a sequência de quedas das últimas semanas. Segundo a EIA (agência de estatísticas do Departamento de Energia dos EUA), o preço ao consumidor subiu 1% na semana passada.

A taxa de câmbio, outro elemento usado pela Petrobras para definir os preços dos combustíveis, também variou para cima nos últimos dias. Na quarta (5), o dólar fechou em R$ 5,59.

Segundo dados do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), a Petrobras estava vendendo gasolina no país com defasagem em relação ao mercado internacional. Na semana passada, o preço interno estava 4,9% abaixo do praticado no Golfo do México, nos Estados Unidos.

A estatal vem tendo dificuldades para desovar seus estoques de gasolina e chegou a consultar distribuidoras de combustíveis sobre a disponibilidade de tanques de armazenagem para receber produtos temporariamente.

Além disso, vem realizando leilões de produtos com desconto para liberar espaço nos tanques próprios, refinarias e terminais. As vendas de gasolina no Brasil caíram 35% após o início da pandemia, mas a Petrobras não pode reduzir significativamente a produção pois precisa produzir gás de botijão, cujo consumo subiu 12% após o início das medidas de isolamento.

O repasse ao consumidor da série de cortes de preço, até o momento, foi de 13,7%. Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), o litro da gasolina era vendido na semana passada a R$ 3,929, em média, no país.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes
Mercado

Netflix dispara na bolsa após superar os 200 milhões de assinantes

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?
Tecnologia e games

Privacidade e WhatsApp: em que a última atualização interfere?