Economia

Petrobras sobe R$ 0,07 o litro da gasolina para as distribuidoras

Os novos valores passarão a valer a partir da meia-noite desta terça-feira (30)

Sede da PetrobrasSede da Petrobras - Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

A Petrobras anunciou, na noite da segunda-feira (29), um aumento médio de R$ 0,07 por litro de gasolina às distribuidoras. Os novos valores passarão a valer a partir da meia-noite desta terça-feira (30). O litro do diesel não sofrerá aumento.

O preço final ao consumidor atende às leis de mercado e não depende da Petrobras, podendo ficar acima ou abaixo do aumento nas refinarias. Sobre o valor pago pelos motoristas nas bombas, incidem tributos estaduais e municipais, além do valor da mão de obra, custos de operação e margem de lucro de cada distribuidora e de cada posto de combustível.

Leia também:
Governo prepara fim do monopólio da Petrobras no gás para reduzir preço
Guedes diz que burocracia da Petrobras resiste a proposta de reduzir preço do gás


“Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos”, explicou a estatal em nota.

Segundo a companhia, a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A: gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel sem adição de biodiesel. “Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis", explicou a Petrobras.

Veja também

TSE publica edital do concurso unificado da Justiça Eleitoral; Pernambuco tem 16 vagas
Concursos e Empregos

TSE publica edital do concurso unificado da Justiça Eleitoral; Pernambuco tem 16 vagas

Taxa de desemprego fica em 7,5% em abril, revela IBGE
DESEMPREGO

Taxa de desemprego fica em 7,5% em abril, revela IBGE

Newsletter