Petrobras

Petrobras vai distribuir R$ 10,3 bilhões em dividendos; saiba como receber

A companhia reportou lucro líquido de R$ 7,11 bilhões em 2020

Prédio da PetrobrasPrédio da Petrobras - Foto: Divulgação

 A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (24) a distribuição de R$ 10,3 bilhões em dividendos, o equivalente a R$ 0,787446 por ação ordinária (com direito a voto) e preferencial (sem direito a voto) em circulação, com base no desempenho da companhia em 2020.

Do valor a ser pago, R$ 5,7 bilhões são referentes à destinação do resultado do exercício de 2020 e R$ 4,6 bilhões são oriundos da conta de reserva de retenção de lucros. A companhia reportou lucro líquido de R$ 7,11 bilhões em 2020.

Para receber os dividendos, o investidor deve ter ações da Petrobras até 14 de abril. No caso de detentores de ADRs (recibo de ação negociado nos Estado Unidos), o prazo é maior, 16 de abril.

Segundo a companhia, as ações da Petrobras serão negociadas sem direito a dividendos, tanto na Bolsa brasileira como na Bolsa de Nova York, a partir do dia 15 de abril.

O pagamento será efetuado em 29 de abril e todos os valores serão atualizados pela variação da taxa Selic de 31 de dezembro de 2020 até a data do pagamento.

"O dividendo proposto, superior ao mínimo obrigatório, foi possibilitado pela forte geração de caixa alcançada pela companhia em 2020 e está alinhado ao compromisso de geração de valor para os acionistas", disse a Petrobras em comunicado ao mercado.

Em dezembro, a companhia pagou os dividendos referentes ao exercício de 2019, no valor de cerca de R$ 1,7 bilhão aos detentores de ações ordinárias e de R$ 2,5 milhões aos preferencialistas.

Em outubro, a empresa revisou sua política de remuneração aos acionistas, permitindo o pagamento de dividendos mesmo quando a empresa tiver prejuízo.

Agora, o principal critério para definir a distribuição é a redução da dívida nos doze meses anteriores. "De 2014 a 2017 a Petrobras não pagou dividendos por não apurar lucro líquido no período. Desde então, voltou a pagar, mas menos que seus pares internacionais e isso é um dos motivos dela ser negociada em um valor abaixo dos concorrentes", diz Ilan Abertman, analista da Ativa Investimentos.

Esta foi a segunda revisão da política de dividendos sob a gestão Roberto Castello Branco, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para presidir a companhia no início de 2019 e, recentemente, alvo de críticas do presidente, que nomeou o general Joaquim Silva e Luna para substituí-lo.

A primeira mudança de Castello Branco em relação ao tema foi a criação de uma regra para o pagamento de dividendos extraordinários.

Segundo Castello Branco, a Petrobras remunera mal seu acionista. Desde que ele assumiu a companhia, acelerou o processo de venda de ativos, alegando que a empresa precisa reduzir sua dívida e focar em projetos mais rentáveis

Veja também

Porto de Suape recebe nova declaração para operações internacionais
Negócios

Suape recebe nova declaração para operações internacionais

Facebook cria salas de áudio para rivalizar com Clubhouse
Tecnologia e Games

Facebook cria salas de áudio para rivalizar com Clubhouse