Petrobras vende refinaria no Japão por US$ 129,3 milhões

Em 2015, porém, a companhia declarou não ter mais interesse no ativo. No balanço de 2014, traz baixa de R$ 343 milhões no valor da refinaria

Jorge Federal (PR) é o presidente da Câmara de Vereadores de OlindaJorge Federal (PR) é o presidente da Câmara de Vereadores de Olinda - Foto: Nathália Bormann/Arquivo Folha

 

A refinaria foi adquirida pela Petrobras em 2008, por US$ 71 milhões, com o argumento de que poderia agregar valor ao petróleo exportado para a Ásia.

Em 2015, porém, a companhia declarou não ter mais interesse no ativo. No balanço de 2014, traz baixa de R$ 343 milhões no valor da refinaria.

Localizada na ilha de Okinawa, a unidade tem capacidade para processar 100 mil barris por dia de petróleo e tem 36 tanques de armazenagem de combustíveis.

Em nota, a Petrobras disse que a venda foi negociada em processo competitivo. "O preço foi avaliado por três instituições financeiras", disse a companhia.

A operação faz parte do plano de desinvestimentos da Petrobras, que tem como meta arrecadar US$ 15,1 bilhões até o final de 2016.

Até agora, a companhia vendeu US$ 9,8 bilhões, incluindo operações na Argentina e no Chile, a malha de gasodutos do Sudeste, participações em distribuidoras de gás e o campo de Carcará, no pré-sal.

Com a refinaria de Okinawa, o valor se aproxima de US$ 10 bilhões. A companhia ainda negocia campos de petróleo na Bacia de Campos, a distribuidora de gás de botijão Liquigás e a BR Distribuidora.

Em setembro, o novo plano de negócios da estatal trouxe uma meta adicional de US$ 19,5 bilhões em vendas de ativos para o período entre 2017 e 2018.

A Petrobras informou nesta segunda (17) que concluiu negociações com a japonesa Taiyo OIl Company para a venda de 100% da refinaria de Okinawa, no Japão. A estatal receberá US$ 129,3 milhões.

 

Veja também

BC queima US$ 2 bi para conter alta do dólar após aumento de tributo de banco
Economia

BC queima US$ 2 bi para conter alta do dólar após aumento de tributo de banco

Guedes admite 'efeito ruim' da ação de Bolsonaro na Petrobras, mas diz que tem que respeitar
Economia

Guedes admite 'efeito ruim' da ação de Bolsonaro na Petrobras, mas diz que tem que respeitar