brasil

PIB subiu 2,9% no primeiro ano do governo Lula 3; veja qual foi o desempenho nos outros governos

Resultado supera Bolsonaro, mas ficou atrás de Lula 1, de Dilma 1 e de FHC 1

Dilma, Lula e Bolsonaro Dilma, Lula e Bolsonaro  - Foto: Reprodução

A economia brasileira cresceu 2,9% no primeiro ano do governo Lula 3, segundo dados do Produto Interno Bruto (PIB), divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira (1°). O desempenho é superior ao observado no início do mandato do ex-presidente Jair Bolsonaro, em 2019, e também ao longo do primeiro ano de governo de Michel Temer e de Dilma Rousseff 2.

Veja a seguir como foi o desempenho dos primeiros anos de mandatos de outros presidentes:

Os dados anuais do PIB foram compilados pela consultoria MB Associados. Pela ótica da oferta, o ano de 2023 foi impulsionado principalmente pela alta do agronegócio. O setor teve a melhor safra de grãos da História do país no ano passado. O bom desempenho dos serviços também contribuiu para o resultado positivo da economia ao longo do ano.

O crescimento em 2023 só perde para três outros períodos da história recente, nesta comparação: o primeiro ano do governo Dilma 1 (4%), o primeiro ano do segundo mandato de Lula 2 (6,1%) e o primeiro ano do primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso (FHC), com 4,4%.

Primeiro ano é crucial, diz analista
O primeiro ano de mandato é crucial para dar o tom da gestão de um presidente, explica Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados.

Isso porque, no ano pós eleição, o governo tem mais espaço - tanto de tempo quanto de capital político-econômico - para emplacar suas reformas e fazer os ajustes que julga necessário em prol do crescimento econômico.

"É o momento em que o governo tem que mandar o Orçamento para o Congresso e tem uma abertura maior para fazer política econômica de acordo com o que o Executivo pensa. No segundo ano de governo já tem eleição municipal, que é um elemento que atrapalha o andamento de reformas."

Veja, abaixo, os principais fatos econômicos nos mandatos presidenciais desde o Plano Real, que estabilizou a economia dando fim à hiperinflação:

Fernando Henrique Cardoso 1 (1995): 4,2%
O primeiro ano do mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso registrou alta de 4,4% no PIB, surfando no bom momento da economia iniciado com o Plano Real, criado na gestão de FHC à frente do Ministério da Fazenda e implantado em julho de 1994, dando fim a décadas de hiperinflação no país.

FHC 2 (1999): 0,5%
O país passou por uma maxidesvalorização em janeiro de 1999, quando acabou o regime cambial adotado nos primeiros anos do Plano Real para ajudar no controle da inflação. Isso aumentou o déficit nas contas externas do país, elevou a dívida pública e quase levou o país a recessão. Na economia internacional, vários países emergentes como o Brasil viveram crises cambiais nesse período.

Lula 1 (2003): 1,1%
Depois de uma eleição difícil, em que o câmbio brasileiro disparou, o primeiro ano de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva marcou uma mudança de orientação na política econômica. “Lula pagou um pouco o preço dos ajustes que tiveram que ser feitos por conta da sua eleição", avalia Vale.

O boom das commodities, com o avanço da China e a recuperação da economia global, ajudou nas exportações brasileiras. O governo fez uma Reforma da Previdência que endureceu as regras de aposentadoria dos servidores públicos.

Lula 2 (2007): 6,1%
O aumento de renda da população, graças à geração de emprego e a programas sociais como o Bolsa Família, estimularam o consumo. Além disso, a inflação sob controle e saldos comerciais expressivos criaram um ambiente mais favorável para investimentos. O cenário internacional também era favorável, com taxas de juros muito baixas. Foi também neste ano que o Brasil se tornou credor do FMI (Fundo Monetário Internacional) após saldar sua dívida com a instituição em 2005.

Dilma Rousseff 1 (2011): 4%
O primeiro ano do primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff capturou efeitos do forte crescimento econômico observado em 2010, último do governo Lula e ano das eleições presidenciais, quando um aumento dos gastos públicos iniciado pós crise global de 2008 se acelerou e ajudou na alta do PIB.

Dilma 2 (2015): -3,6%
Já o primeiro ano do segundo mandato de Dilma Rousseff foi marcado pela queda de mais de 3,% do PIB brasileiro. Para Vale, a retração da economia foi o pagamento dos sucessivos erros econômicos do governo. Naquele ano, a crise política interna e as políticas de ajuste fiscal afetaram o desempenho da atividade econômica. A queda nos preços das commodities também foi um vento contrário.

Michel Temer (2017): 1,3%
O PIB brasileiro mostrou sinais de recuperação ao longo do primeiro ano do mandato de Michel Temer, que assumiu interinamente em maio de 2016 após o início do processo de impeachment de Dilma Rousseff. A recuperação das economias globais aumentou a demanda por commodities.

O Banco Central reduziu as taxas de juros, de 13,75% no ínicio do ano para 7,5% no fim do ano, estimulando o consumo das famílias e os investimentos. O mercado de trabalho começou a se recuperar após a crise econômica de 2015 e 2016. Além disso, a adoção do programa de recuperação fiscal e a aprovação da Reforma Trabalhista buscavam tornar mais favorável o ambiente de negócios no país.

Jair Bolsonaro (2019): 1,2%
No primeiro ano do governo Bolsonaro, a agenda de reformas e corte de gastos deu o tom da política econômica. A taxa básica de juros Selic seguiu em patamar baixo (6,5%) e ficou estável ao longo de quase todo ano.

A Reforma da Previdência foi aprovada em novembro.

Lula 3 (2023): 2,9%
A supersafra do setor agrícola, no primeiro semestre, manteve a economia aquecida. Uma recuperação do mercado de trabalho e do setor de serviços, a manutenção de gastos sociais e o maior espaço fiscal aberto pela PEC da Transição (aprovada após as eleições de 2022) proporcionaram um crescimento maior do PIB.

Veja também

Sudene comemora a ampliação do acesso aos financiamentos do BNDES para o Nordeste
Desenvolvimento Econômico

Sudene comemora a ampliação do acesso aos financiamentos do BNDES para o Nordeste

Abimaq: nova lei para indústria deve gerar R$ 20 bi em investimentos
setor industrial

Abimaq: nova lei para indústria deve gerar R$ 20 bi em investimentos

Newsletter