Pitú anuncia investimento de R$ 15 milhões

Com os recursos, a indústria, que chega aos 80 anos, amplia sua capacidade de armazenamento em 21 milhões de litros da popular bebida

Empresa terá três novos tanques de aço inox para armazenar mais cachaça na entressafraEmpresa terá três novos tanques de aço inox para armazenar mais cachaça na entressafra - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

A empresa pernambucana Engarrafamento Pitú celebra este ano 80 anos de história e para marcar a data a indústria de cachaça faz um investimento de R$ 15 milhões para ampliar o armazenamento em 21 milhões de litros do produto. A empresa é uma das maiores exportadoras de cachaça do Brasil e produz mais de 95 milhões de litros da popular bebida por ano, emprega direta e indiretamente cerca de 550 pessoas. A companhia comercializa em média, 98 milhões de litros de cachaça por ano, dos quais 2% representam as vendas no exterior.

Segundo a diretora de produtos e relações exteriores, Maria das Vitórias Cavalcanti, o investimento é importante para o armazenamento da empresa. “Já temos a tancagem de 30 milhões e agora teremos a capacidade de ter mais 21 milhões de litros.

A nova etapa será formada por três tanques de sete milhões de litros de aço inox. Cada tanque tem que ter uma bacia de contenção para que, caso estoure a bacia, ela segure a quantidade de litros que ali estão e evitem que cheguem ao rio”, disse.

Leia também:
Cozinhar com bebida alcoólica exige técnica
Presidente da Pitú morre aos 90 anos


A Pitú já conta com 13 tanques que irão possibilitar a expansão do armazenamento durante o período em que a cana-de-açúcar não é produzida. “A gente tinha muito dinheiro parado, a safra da cana só dura seis meses, e é preciso armazenar os outros seis meses de produção. Antes armazenávamos em outros fornecedores da empresa, mas é complicado dessa forma, pois já perdemos milhões de litros por conta disso. Sempre pensamos nesses investimos para ampliar o armazenamento. Com a tancagem a empresa pode estar totalmente independente do armazenamento nos fornecedores”, contou a diretora.

A empresa também investiu recentemente R$ 1 milhão na equalização de seu tratamento de efluentes em novos equipamentos para que a água usada do Rio Tapacurá seja aproveitada de uma melhor forma na fábrica e volte para o rio tratada e sem poluentes.

   Fundação

A Pitú foi fundada em 1938 por Joel Cândido Carneiro, Severino Ferrer de Moraes e José Ferrer de Moraes em Vitória de Santo Antão, Zona da Mata Norte, com a fabricação de vinagre e bebidas à base de maracujá e jenipapo, além de engarrafar aguardente de cana fornecida por engenhos locais. Em 1945 a empresa comprou o Engenho Pitú e deu início à produção de sua própria aguardente.

A Pitú, que completa agora seus 80 anos de história, hoje comercializa no exterior 1,7 milhão de litros, dos quais 1,5 milhão são apenas para a Alemanha, que desde 1970 engarrafa e distribui a bebida para toda a Europa. A marca também está presente em outros países, como os Estados Unidos, Canadá, México, Chile, China, Japão, Índia, entre outros.

 

Veja também

Confinamento contra Covid-19 é útil para América Latina? Depende, diz FMI
Coronavírus

Confinamento contra Covid-19 é útil para América Latina? Depende, diz FMI

Pacheco quer incluir cota para reservatório de Furnas na MP da Eletrobras
Energia

Pacheco quer incluir cota para reservatório de Furnas na MP da Eletrobras